Política

Clube Militar defende democracia: ‘A maioria decidiu’

Instituição pede respeito à decisão democrática das urnas em nota, que completa: “Não interessa que não seja a nossa opção. É a regra”

Entidade defende a manutenção do sistema democrático e que povo cobre Presidenta
Apoie Siga-nos no

O Clube Militar, tradicional instituição fundada no século 19, divulgou uma nota em que afirma valorizar a decisão democrática das urnas nas eleições deste domingo 26. “A maioria decidiu. Não interessa que não seja a nossa opção. É a regra”, traz o texto.

“Perder nunca é um fato facilmente aceitável, mas faz parte do jogo e da vida.”

Depois do resultado do segundo turno, que reelegeu a presidenta Dilma Rousseff com 51,64% dos votos, diversos internautas alinhados com a campanha do candidato derrotado Aécio Neves têm se manifestado pelas redes sociais com mensagens de repúdio à decisão das urnas e mesmo menções a um impeachment. Eventos foram criados no Facebook convidando as pessoas a protestarem contra a decisão.

A nota do Clube Militar vai no sentido justamente contrário e exalta a decisão democrática. “A Democracia, caminho que defendemos ardorosamente, estabelece isso.”

Confira abaixo a nota na íntegra:

“Perder nunca é um fato facilmente aceitável, mas faz parte do jogo e da vida. Derrotar-se é que não é aceitável.

O Brasil é nosso.

A Democracia, caminho que defendemos ardorosamente, estabelece isso. A maioria decidiu. Não interessa que não seja a nossa opção. É a regra.

Assim devemos exercer a nossa cidadania, exigindo do Governo a postura que consideramos correta, a transparência que até hoje foi sonegada, a competência que o País necessita, enfim, vamos fiscalizar.

Temos um Congresso e outras Instituições.

Não vamos baixar a cabeça.

Vamos continuar lutando pelo Brasil, cada um fazendo a sua parte.

Um Sócio Ilustre”

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo