Política

Ciro Nogueira ignora atraso e diz que vacina para crianças é ‘promessa cumprida’ pelo governo

O ministro da Casa Civil – e um dos líderes do Centrão – também escondeu a cruzada antivacina liderada pelo presidente Jair Bolsonaro

Presidente Jair Bolsonaro, durante solenidade de posse do novo ministro chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira.

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência
Presidente Jair Bolsonaro, durante solenidade de posse do novo ministro chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência

Ministro da Casa Civil e um dos líderes do Centrão, Ciro Nogueira usou as redes sociais nesta quinta-feira 13 para exaltar o governo de Jair Bolsonaro pela chegada do 1º lote de vacinas pediátricas da Pfizer contra a Covid-19. Ele omitiu, no entanto, a demora da gestão federal após o aval concedido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária à imunização de crianças entre 5 e 11 anos.

Nogueira também escondeu a constante propaganda antivacina do presidente Jair Bolsonaro, que não hesita em desestimular a adesão de pais à imunização das crianças.

“Já chegaram ao Brasil as primeiras doses pediátricas da vacina da Pfizer contra a Covid-19. Serão 20 milhões distribuídas no primeiro trimestre. Mais uma vez, o governo federal cumpre com a promessa de garantir vacinas para todos os brasileiros que busquem se imunizar”, escreveu o senador licenciado pelo PP do Piauí.

Um dia antes da chegada das primeiras doses pediátricas, Bolsonaro deu sequência às suas tentativas de atrapalhar a imunização. Na quarta-feira 12, ele disse que cobra do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, uma propaganda que, na prática, seria contra a vacinação, por meio da divulgação de dados não comprovados sobre supostos efeitos adversos.

“Eu cobrei ontem [terça-feira 11] do ministro Queiroga a divulgação das pessoas com efeito colateral. Quantas pessoas estão tendo reações adversas no Brasil pós-vacina? Quantas pessoas estão morrendo por outras causas e estão sendo creditadas ao Covid?”, disse em entrevista ao canal bolsonarista Gazeta do Brasil.

O ex-capitão usou boa parte do tempo para criticar a imunização de crianças entre 5 e 11 anos. Na conversa, repetiu a sugestão de que as mortes de mais de 300 crianças não justificariam a vacinação.

Nesta quinta, ao receber o 1º lote de vacinas pediátricas da Pfizer, Queiroga declarou que “existe segurança atestada não só pela Anvisa, mas por outras agências regulatórias, para aplicação dessas vacinas“.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!