Celso de Mello dá 24 horas para Temer explicar nomeação de Moreira Franco

Política

O ministro do Supremo Tribunal Federal Celso de Mello decidiu, nesta quinta-feira 9, pedir informações a Michel Temer sobre a nomeação de Moreira Franco para a Secretaria-Geral da Presidência da República, agora com status de ministério. Temer terá 24 horas para se manifestar. Após receber as informações, o ministro do STF deverá decidir sobre os dois mandados de segurança nos quais a Rede e o PSOL questionaram o ato.

A decisão de Celso de Mello pode por fim à guerra de liminares judiciais contra a nomeação de Moreira Franco. Na manhã da quinta 9, o Tribunal Regional Federal da 1ª Região, sediado em Brasília, derrubou decisão proferida pela primeira instância, que barrou o peemedebista. Horas depois, uma nova decisão, desta proferida pela Justiça do Rio, voltou a cancelar a posse. À noite, um juiz do Amapá também impediu o peemedebista de assumir o cargo.

Com o novo posto, Moreira Franco, o “Angorá” das planilhas da Odebrecht passa a ter direito a foro privilegiado e só poderá ser julgado pelo Supremo Tribunal Federal. A Secretaria Geral da Presidência da República havia sido extinta em 2015 pela então presidente Dilma Rousseff. Antes da mudança anunciada por Temer, Moreira Franco era secretário-executivo do Programa de Parcerias em Investimentos (PPI), que continuará sob os cuidados de sua nova pasta, também responsável pelas secretarias de comunicação e administração, além do cerimonial. 

A medida foi anunciada por Temer na mesma semana em que o STF homologou 77 colaborações premiadas de executivos da Odebrecht. Na pré-delação de Cláudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da empreiteira, o promovido ministro Moreira Franco foi citado mais de 30 vezes, acusado de ter recebido dinheiro para defender os interesses da empreiteira no setor aeroportuário. 

* Com informações da Agência Brasil.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem