Política

CCJ do Senado aprova indicação de Augusto Aras para PGR

Indicação de Aras foi aprovada com folga pela Comissão de Constituição e Justiça: 23 votos favoráveis e 3 contra

O procurador Augusto Aras pediu o cancelamento de ação da sua antecessora, Raquel Dodge, que previa indenizar índios afetados pela usina Itaipu. Créditos: Geraldo Magela/Senado Federal
O procurador Augusto Aras pediu o cancelamento de ação da sua antecessora, Raquel Dodge, que previa indenizar índios afetados pela usina Itaipu. Créditos: Geraldo Magela/Senado Federal

A Comissão de Constituição de Justiça (CCJ) do Senado Federal aprovou a indicação do subprocurador Augusto Aras à Procuradoria-Geral da República (PGR), por 23 votos favoráveis contra 3, nesta quarta-feira 25. Aras foi indicado ao cargo pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL), para suceder a ex-procuradora-geral Raquel Dodge, que terminou seu mandato em 17 de setembro.

A nomeação de Aras ignora a indicação dos três subprocuradores pela lista tríplice do Ministério Público, divulgada em junho pela Associação Nacional de Procuradores da República (ANPR). A lista é organizada desde 2001, a partir de eleições gerais na entidade, e os presidentes anteriores a Bolsonaro costumavam indicar uma das três opções.

Entre dez inscritos em 2019, Mário Bonsaglia ficou em primeiro lugar, com 478 votos, Luiza Frischeisen em segundo, com 423, e Blal Dalloul, em terceiro, com 422. Ao todo, 946 membros participaram das eleições.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!