…

Caso Coaf prova que Bolsonaro nunca foi outsider, diz Manuela D’Ávila

Política

A deputada estadual Manuela D’Ávila disse, nesta sexta-feira 14, que a Europa está interessada em garantir que as informações enviadas ao mundo, a respeito do que ocorre no Brasil, sejam “fluidas”. “Ou seja, que os partidos e as organizações que são solidárias conosco e que vêem as notícias do crescimento da ameaça autoritária no país compreendam como podem se somar, observando essa realidade”, afirmou.

Em Roma, após passar pela França, a representante do PC do B na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul ressaltou que Brasil pode servir como exemplo para as próximas eleições europeias. “Um tema que também desperta bastante interesse é o uso de big data e fake news, já que a Europa enfrentará uma eleição em maio para o Parlamento. Creio que há curiosidade, interesse e muita solidariedade das organizações progressistas, de esquerda, dos verdes, de centro-esquerda, com o povo brasileiro.”

A deputada criticou o Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras). Segundo ela, o órgão tinha conhecimento das operações financeiras envolvendo a família Bolsonaro, mas não se pronunciou durante as eleições.“Esse caso concreto apenas evidencia algo que nós já dizíamos: Bolsonaro não é um ‘outsider’, ele é o mais ‘insider’, alguém que faz a política mais velha do Brasil. Com 26 anos de mandato, 26 anos de absolutamente nenhuma produção, 26 anos elegendo os filhos políticos”, afirma.

Leia também: Caso de motorista de Flávio Bolsonaro pode indicar lavagem de dinheiro

Ela completa: “Essa é a pior tradição da política brasileira, que vem desde as Capitanias Hereditárias, mas que se perpetua com as criação dos clãs, quer dizer, não ideias, mas famílias, gerações tomando conta do Estado brasileiro. A política velha”.

Retrocesso

Manuela D’Ávila ressaltou que a esquerda brasileira terá dois grandes desafios pela frente. “O primeiro é resistir a um conjunto de reformas que serão propostas por Bolsonaro, ultra-conservadoras, como a reforma da Previdência, e que tendem a contar com o apoio da elite financeira do país de maneira muito intensa porque essa é uma agenda que interessa ao sistema bancário. Nós estaremos diante de um governo que buscará tirar ainda mais direitos dos mais pobres”, disse.

Leia também: Manuela D'Ávila sofre ameaça e pede reforço na segurança

“Por outro lado, temos que garantir uma unidade política mais ampla em defesa da democracia. É preciso estarmos unidos enquanto campo para resistirmos a um projeto, resistirmos no Congresso e mobilizando a população, porque Bolsonaro anuncia de um lado um governo ultraliberal com Guedes, e de outro lado um governo ultra-autoritário e de perseguição contra a esquerda.”

Ela também lamenta que o Brasil tenha “regredido” após as últimas eleições. “Sabemos que o crescimento da extrema direita é um processo global, porque a crise do capitalismo é muito grande e o capitalismo no nosso tempo, ao que tudo indica, não tem mais compromisso com saídas democráticas para o mundo. Nós achávamos no Brasil que tínhamos diferença com os outros [países], mas todos concordávamos que não voltaríamos atrás [da Constituição] de 1988 e, ao que tudo indica, estamos voltando para trás de 1988”, declara.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Rádio pública francesa que produz conteúdo em 18 línguas, inclusive português. Fundada em 1931, em Paris.

Compartilhar postagem