Política

Carlos Bolsonaro usa camiseta de Luther King e internet vai à loucura

O filho 03 do presidente deu uma resposta indelicada a um jovem que perguntou sobre Fabrício Queiroz

Carlos Bolsonaro e a  camiseta com uma foto de Martin Luther King estampada (Foto: Reprodução)
Carlos Bolsonaro e a camiseta com uma foto de Martin Luther King estampada (Foto: Reprodução)

Carlos Bolsonaro, filho 03 do presidente Jair Bolsonaro, foi flagrado neste sábado 22 com uma camiseta estampada com a foto de Martin Luther King. A cena levou os internautas à loucura, que questionaram a contradição da peça de roupa usada – o pastor protestante americano foi um dos mais importantes líderes ativistas do movimento dos direitos civis negros nos Estados Unidos. Sua morte está prestes a completar 52 anos.

O contexto em que a imagem foi flagrada também gerou polêmica. Carlos foi filmado por um jovem aparentemente em um aeroporto, que ao cruzar com o vereador perguntou “cadê o Queiroz?”. Supostamente acompanhado por um segurança, o vereador respondeu: “no teu cu”. Nesse momento, o acompanhante de Carlos se aproxima e o jovem pergunta se ele iria lhe bater. O vídeo tem exatos dez segundos. O nome de Martin Luther King foi parar nos trending topics do Twitter neste sábado.

Luther King era um pastor batista. Vivia no contexto de segregação da população negra no país, com a negação do direito de votar e a instituição de espaços públicos separados dos brancos. Por isto, o pastor foi compelido a denunciar o racismo em seu país e conclamar a reconciliação e a paz entre negros e brancos.

Tornou-se um grande líder do movimento de superação do racismo nos EUA e por direitos civis, com atos, protestos e manifestações públicas não-violentas. Recebeu o Prêmio Nobel da Paz em 1964 e no mesmo ano viu o alcance dos direitos concedidos por lei. Ele prosseguiu: liderou a Campanha pelos Pobres, contra a desigualdade econômica, e pregou ardentemente contra a Guerra do Vietnã.

Recebeu também muitas ameaças de morte, mas se manteve firme no compromisso de sua fé.  Em 4 de abril de 1968, foi assassinado com um tiro.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!