Bruno Covas é levado à UTI com sangramento no fígado

Prefeito trata câncer no sistema digestivo, diagnosticado em outubro

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas. Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas. Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Política

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), teve um sangramento no fígado na tarde desta quarta-feira 11 e foi encaminhado para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Sírio-Libanês.

O tucano está internado desde domingo 8 para a quarta sessão de quimioterapia. Ele trata de um câncer no sistema digestivo, diagnosticado em 28 de outubro. Há um tumor na cárdia, região entre o esôfago e o estômago.

Segundo os médicos, o sangramento se deu após procedimento para demarcação da lesão tumoral. Eles tinham constatado sangramento intra-hepático (na parte interna do fígado) e, portanto, os médicos fizeram uma arteriografia, exame radiológico com injeção de contraste que permite a visualização de uma artéria. Também fizeram o bloqueio da circulação no foco de sangramento, descrito como “minimamente invasivo”.

 

Depois do procedimento, a ida para a UTI se deu para o monitoramento de Covas. O boletim foi assinado pelos médicos Fernando Ganem, diretor de governança clínica do hospital, e Maria Beatriz Souza Dias, diretora clínica.

Nesta semana, os médicos haviam anunciado que o câncer tinha regredido. A lesão no fígado também apresentara uma resposta expressiva, de acordo com a equipe do hospital. A previsão anunciada para a duração do tratamento é de quatro meses, com cinco sessões até fevereiro.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem