“Brasil é Boeing comandado por chimpanzé metido a engraçadinho”, diz Ciro Gomes

Para o PDTista, derretimento da bolsa brasileira durante a semana tem base na política econômica desastrosa de Guedes e Bolsonaro

“Brasil é Boeing comandado por chimpanzé metido a engraçadinho”, diz Ciro Gomes

Política

Com três circuit breakers em dois dias, dólar batendo os 5 reais, derrubada do veto presidencial em relação ao BPC pelo Congresso e a crise do coronavírus chegando ao alto escalão de Brasília, a semana foi tudo, menos favorável ao governo.

O clima negativo do lado de fora, porém, não isenta o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes, da responsabilidade do derretimento da bolsa brasileira e dos resultados pífios de crescimento econômico. É o que argumenta Ciro Gomes, ex-governador do Ceará e presidenciável nas eleições de 2018 pelo PDT, que classificou o País como um “avião desgovernado em um céu extremamente perigoso”.

“O tempo que vem de fora – a crise internacional agravada pelo coronavírus e pela aversão aos riscos – é muito difícil, e o avião queimou uma turbina. O Brasil é um avião complexo, um Boeing sofisticado, que tem como comandante dele um chimpanzé, que é o Bolsonaro, e um co-piloto de videogame, que nunca viu um avião na vida, que é o Guedes. O coronavírus não explica a intensidade com que os ativos estão derretendo”, declarou Gomes em entrevista ao programa “Fechamento”, de CartaCapital, nesta quinta-feira 12.

O derretimento do Ibovespa piorou desde a disputa pelo preço do petróleo no mercado, pela determinação do coronavírus como uma pandemia pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pelo fechamento das fronteiras americanas a vos europeus, conforme anunciado por Donald Trump na quarta-feira 11. Mesmo assim, para Gomes, o cenário externo é utilizado pelos defensores do governo como um pretexto para mascarar uma política econômica “anacrônica” à realidade brasileira.

 

“Eles estão usando um pretexto para não entender que estão com um chimpanzé metido a engraçadinho, que é o Bolsonaro, despreparado, não conhece absolutamente nada, e o Guedes, que fez um conjunto de apostas completamente anacrônicas sob o ponto de vista teórico moderno. Nenhum país do mundo congela por 20 anos seus investimentos públicos em estado constitucional.”, analisa em referência à PEC do Teto de Gastos, implementada pelo ex-presidente Michel Temer em 2017 e defendida pela equipe econômica neoliberal de Guedes.

“Você vai ter [uma crise] porque com a Constituição brasileira, mudada pelo Michel Temer com o aplauso dessa maluca fração da elite brasileira, coisa que o PT reproduziu, nós estamos proibidos de expandir o gasto. O SUS sofreu 12% de contração num país em que nascem dois milhões de bebês por ano. Então é um desastre, é um avião desgovernado num céu terrivelmente perigoso”, critica.

“No Hemisfério Norte, quando os patos começam a voar em direção ao Sul, todo popular entende: o inverno está chegando. No ano de 2019, sem coronavírus, o Brasil perdeu 50 bilhões de dólares de capital estrangeiro na bolsa de valores. Esse ano, já em dois meses, mais outros 50 bilhões de dólares foram embora. Ou seja: os patos do Norte estão voando pro Sul. Os estrangeiros, que não caem na manipulação, na mentira, na enganação dos pseudoeconomistas de TV no Brasil, estavam vendo que a bolsa de valores brasileira estava num nível irracional. Os ativos não correspondem àquilo. A explicação é brasileira. É a imperícia, impudência, incapacidade, incompetência do governo que nós temos”, analisa Ciro.

 

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem