Política

Bolsonaro, sobre André Mendonça: ‘Para quem é evangélico, a Constituição é a Bíblia’

A fala vem em meio a dúvidas se Mendonça vai honrar o compromisso de atender à Constituição, levando em consideração a laicidade do Estado

André Mendonça e Jair Bolsonaro. Foto: Isaac Amorim/MJSP
Apoie Siga-nos no

Ao comemorar, mais uma vez, a aprovação de seu ex-ministro André Mendonça para assumir uma vaga no Supremo Tribunal Federal (STF) o presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira 7, que, para quem é evangélico, “a Constituição é a Bíblia”.

 

“Como ele André disse, a Bíblia será a Constituição. E, para quem é evangélico, cristão, a Constituição é a Bíblia”, declarou o presidente durante a cerimônia de assinatura de contratos do leilão do 5G, ocorrida no Palácio do Planalto.

A fala truncada vem em meio a dúvidas se Mendonça, pastor presbiteriano indicado por Bolsonaro por ser “terrivelmente evangélico”, vai honrar o compromisso de atender à Constituição enquanto magistrado, levando em consideração a laicidade do Estado.

O chefe do Executivo ainda fez um afago ao presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Humberto Martins, que participou do evento no Planalto e era o candidato favorito do senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) para assumir a cadeira vaga na mais alta Corte do País. “Humberto Martins também é evangélico, mas coube esse momento para André Mendonça”, afirmou Bolsonaro.

Outra pessoa elogiada pelo presidente ao longo do discurso na cerimônia foi Raimundo Carreiro, ministro do TCU indicado para assumir a embaixada brasileira em Portugal. “Nunca nosso governo teve problema com Carreiro, sempre foi solução. Mais um amigo, vão ter um irmão na embaixada.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo