Bolsonaro repete fake news de que Senado dos EUA investiga origem do coronavírus

A afirmação baseia-se em vídeo divulgado por apoiadores do governo nas redes sociais, no senadores republicanos dos EUA fazem especulações

Foto: AFP

Foto: AFP

Política

O presidente Jair Bolsonaro repetiu nesta quarta-feira 23 informação falsa de que o Senado americano investiga a origem do coronavírus e a possível eficácia de medicamentos utilizados no chamado tratamento precoce. A afirmação baseia-se em vídeo divulgado por apoiadores do governo nas redes sociais, no qual cinco senadores republicanos dos EUA fazem especulações acerca das políticas de controle do debate público adotadas por redes sociais. O presidente usou os dados incorretos para, novamente, criticar os trabalhos da Comissão Parlamentar de Inquérito da Covid, no Senado.

 

 

 

“O Senado americano está dando um exemplo, não só buscando a origem do vírus, bem como investigando o tratamento precoce. Bem diferente da CPI (da Covid)”, repetiu o presidente a apoiadores na saída do Palácio da Alvorada. Como mostrou a checagem do Estadão Verifica e do Projeto Comprova, o pronunciamento de parlamentares republicanos foi tirado de contexto nas redes para dar força a uma teoria de que o novo coronavírus teria escapado de um laboratório. Embora acreditem nessa tese, os senadores não apresentaram nenhuma evidência que comprove.

O presidente também voltou a defender o uso de medicamentos sem a eficácia comprovada para o tratamento da Covid-19, afirmando que a universidade norte-americana de Oxford encontrou “fortes indícios” da eficácia do medicamento. Nesta terça-feira, 22, no entanto, a Universidade de Oxford anunciou que tem feito testes iniciais do uso da ivermectina, medicamento antiparasitário, como tratamento possível para a Covid-19. A pesquisa integra estudo apoiado pelo governo britânico para auxiliar na recuperação de pacientes em situação não hospitalar.

De acordo com a universidade, a substância resultou na redução da replicação do vírus em estudos laboratoriais. Um pequeno estudo piloto mostrou que administrá-la antecipadamente poderia reduzir a carga viral e a duração dos sintomas em alguns pacientes com quadros leves de Covid-19.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem