Política

Bolsonaro incita atos contra isolamento social em SP: “Ordem absurda não se cumpre”

O presidente fez menção a um possível apoio da Polícia Militar aos manifestantes, o que já foi negado pela corporação e pelo governador

(Foto: Foto: Marcos Corrêa/PR)
Apoie Siga-nos no

O presidente Jair Bolsonaro fez uma declaração de apoio às manifestações realizadas em São Paulo no domingo 24 contra o isolamentos social e o governador João Doria. “Ordem absurda não se cumpre”, disse.

Um dos apoiadores que esperava pelo presidente na manhã desta segunda-feira 25, em frente ao Palácio do Alvorada, citou o possível apoio de policiais militares às manifestações. O presidente disse ter visto o vídeo e engatou a fala: “Povo de São Paulo, parabéns a vocês, ordem absurda não se cumpre. Não é só eu presidente não, nós, autoridades, estamos sempre do lado do povo”, declarou.

Manifestantes que participaram dos atos na capital circularam vídeos nas redes sociais insinuando apoio da Polícia Militar aos atos. Nas gravações, policiais eram vistos prestando continência.

Após o ocorrido, a Secretaria de Segurança de São Paulo e a Polícia Militar se manifestaram negando o apoio. Segundo as corporações, a ação, que durou um minuto, foi feita por todos os membros da corporação para homenagear o soldado Lucas Alexandre Leite, que faleceu em serviço na noite de sábado.

O governador João Doria também negou, em suas redes sociais, o apoio da corporação e disse que a notícia alarmada é “absolutamente falsa”. A continência teria ocorrido no mesmo momento em que o soldado era sepultado.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo