Bolsonaro faz live para assistir a discurso de Trump e critica Lula

Após o discurso do presidente dos Estados Unidos, Bolsonaro disse que governo do PT defendeu enriquecimento de urânio pelo Irã

Bolsonaro assistiu ao discurso de Trump durante transmissão ao vivo no Facebook. Foto: Reprodução/Facebook

Bolsonaro assistiu ao discurso de Trump durante transmissão ao vivo no Facebook. Foto: Reprodução/Facebook

Política

O presidente Jair Bolsonaro exibiu uma transmissão ao vivo em sua conta no Facebook, enquanto assistia, pela emissora GloboNews, o discurso do presidente americano Donald Trump, nesta quarta-feira 8.

Ao fim do discurso de Trump, Bolsonaro resolveu adicionar um complemento e fez críticas ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Segundo ele, o petista defendeu o enriquecimento de urânio pelo governo iraniano enquanto era presidente da República.

 

“Queria dizer apenas uma coisa. O senhor Luiz Inácio Lula da Silva esteve no Irã e lá defendeu que aquele regime pudesse enriquecer urânio acima de 20%, que seria para fim pacífico”, disse Bolsonaro. “Nós temos que seguir as nossas leis, nós não podemos extrapolar. Mas acredito que a verdade tem que fazer parte do nosso dia a dia e que nós queremos paz no mundo.”

O presidente da República ergueu ainda a Constituição Federal com as mãos e afirmou que, segundo o texto, é dever do Brasil defender a paz e repudiar o terrorismo.

Bolsonaro fez referência ao apoio que Lula manifestou em 2009 ao “direito do Irã a desenvolver energia nuclear para fins pacíficos”, desde que houvesse “pleno respeito aos acordos internacionais”. À época, o então presidente Mahmoud Ahmadinejad chegou a visitar Brasília para falar sobre o tema com o petista.

Em 2010, Lula visitou o Irã para mediar a questão do programa nuclear. Naquele período, Barack Obama era presidente dos Estados Unidos e também trabalhava por uma solução diplomática. Em 2015, Obama firmou um acordo nuclear com o Irã, que foi rejeitado em 2018 por Trump.

Trump fez pronunciamento na Casa Branca nesta quarta-feira 8 para responder aos ataques iranianos às bases com tropas americanas no Iraque. Segundo ele, os Estados Unidos eliminaram o “maior terrorista do mundo” ao matarem Qasem Soleimani, general iraniano de alto escalão do Irã, assassinado na sexta-feira 3.

O presidente dos EUA disse ainda que nenhum americano ou iraquiano foi morto após os ataques do Irã. Além disso, anunciou que vai impor novas sanções econômicas ao país.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem