…

Bolsonaro está agindo com fake news contra mim, diz Hadadd

Política

Fernando Haddad, candidato à Presidência pelo PT, anunciou que o partido iniciou uma tentativa de identificar a autoria das mensagens com fake news que circulam no WhatsApp contra sua candidatura. Nesta quarta-feira 3 o petista chamou a imprensa para uma coletiva no comitê de campanha presidencial, em São Paulo, onde classificou o conteúdo das mensagens disseminadas como vulgares e muito graves.

“Nós colocamos um telefone à disposição porque estamos recebendo uma quantidade de mensagens denunciando nosso adversários, sobretudo um: a campanha do [Jair] Bolsonaro (PSL) está agindo muito fortemente com fake news contra minha família, contra minha atuação como ministro. É muito grande e inclusive muito vulgar.”

De acordo com Haddad, esse tipo de mensagem aumentou nos últimos dias, sobretudo entre os evangélicos. “Estamos recebendo a estimativa de que milhões de mensagens foram disparadas com conteúdo ofensivos”. “A quantidade está nos assustando”, destacou.

Leia também:
Bolsonaro x Haddad: faz sentido falar em eleição dos extremos?

Haddad: Brasil deve ajudar Venezuela a encontrar caminho pela democracia

Apesar de nomear Bolsonaro como responsável, o presidenciável disse, em um segundo momento na coletiva, que desconfia que a autoria dos atos seja do ex-militar, pela natureza do conteúdo, mas não se tratava de uma acusação formal.

Questionado se ele acredita que os conteúdos enviados estão fazendo diferença nos levantamentos eleitorais que mostram um avanço do ex-militar na disputa eleitoral, Haddad disse que sim. “Nós acreditamos que essas mensagens do WhatsApp estão fazendo alguma pequena diferença [no crescimento do Bolsonaro nas pesquisas]. São milhões de mensagens sendo disparadas com mulheres nuas, crianças sendo abusadas, coisas gritantes mesmo e nós estamos pedindo para denunciar para chegar a quem está fazendo isso.”

De acordo com o ex-prefeito de São Paulo, através das denúncias recebidas, a equipe do PT tentará “fazer o caminho de volta até chegar em quem efetivamente fez esse jogo baixo”. Questionado se o setor jurídico do partido será responsável por avaliar esse caminho inverso, Haddad não respondeu.

Petistas da cúpula do partido, do setor jurídico e da equipe de campanha foram procurados pela reportagem e afirmaram que não viram mensagens cujo conteúdo se referia à família do candidato à Presidência.  

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site CartaCapital.com.br

Compartilhar postagem