Bolsonaro é o presidente ‘mais incapaz da história do mundo’, afirma Lula

Para o petista, a condução da pandemia é a principal evidência da incapacidade de governar do atual presidente

Foto: Reprodução/Redes Sociais

Foto: Reprodução/Redes Sociais

Política

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou nesta terça-feira 27 que o presidente Jair Bolsonaro é o ‘mais incapaz da história do mundo’ quando o assunto é o enfrentamento da pandemia da Covid-19. A declaração foi dada em entrevista à rádio Difusora Pai Eterno, de Goiás.

“Ele [Jair Bolsonaro] hoje se coloca como o mais incapaz presidente da história do mundo no cuidado com a pandemia. Ele não respeitou o coronavírus, ele disse que era uma gripezinha, não levou a sério a medicina, não levou a sério a ciência, não levou a sério as recomendações da Organização Mundial da Saúde. Ele praticou no Brasil um desastre”, destaca o ex-presidente.

Para Lula, a condução de Bolsonaro é a principal responsável pelos mais de 20 milhões de casos e mais de 550 mil mortes causadas pela doença no Brasil.

“Uma parte dessas mortes precisa ser jogada nas costas dele, porque ele deveria ter tomado providências antes de ter chegado aqui o coronavírus”, explica.

 

 

Segundo o petista, o governo federal teve ao menos um mês para se antever ao surto da doença no País, já que os primeiros casos da China e na Itália indicavam o cenário catastrófico que seria visto no mundo todo dentro de algumas poucas semanas.

Na entrevista, Lula tratou diversas vezes sobre a volta do Brasil ao mapa da fome. Segundo o ex-presidente, a crise pela qual passa o País é resultado da omissão de Bolsonaro e da atuação do ministro da Economia, Paulo Guedes.

“O Brasil está efetivamente desgovernado. O presidente não fala uma palavra como governador. Quem está governando o Brasil é Guedes e o presidente da Câmara [Arthur Lira]. O presidente hoje é uma rainha da Inglaterra”, afirma Lula em referência ao modelo britânico, em que quem governa o país é um primeiro-ministro.

O petista criticou ainda a política externa de Bolsonaro, destacando a desidratação global da popularidade do atual presidente desde a derrota de Donald Trump, nos Estados Unidos.

“O único presidente que ele gostava e lambia as botas era o Trump. O Trump perdeu e agora ele não tem com quem conversar, está isolado”, destaca. “Ele agora não conversa com o Uruguai, não conversa com o Paraguai, não conversa com Argentina, não conversa com o Chile, com a Índia, com a China, com a Rússia, nem com o Biden. Ou seja, ele é um eremita governando um país do tamanho do Brasil. Precisamos dar fim nisso e precisamos colocar alguém civilizado”, acrescenta.

Sobre as eleições de 2022, Lula disse não estar preocupado com a polarização, nem vê riscos do fortalecimento de uma eventual terceira via. Na conversa, também afirmou que ainda não é oficialmente candidato, mas que acha difícil não ser por estar bem colocado em todas as pesquisas. “Mas a decisão cabe ao partido”, reiterou.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem