Bolsonaro e comitiva devem ficar de quarentena, recomenda Anvisa

A iniciativa é uma tentativa de evitar um possível surto após o ministro da Saúde Marcelo Queiroga testar positivo para a Covid-19

A delegação brasileira em Nova York no domingo 19. Foto: Reprodução/Redes Sociais

A delegação brasileira em Nova York no domingo 19. Foto: Reprodução/Redes Sociais

Política,Saúde

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomendou nesta quarta-feira 22 que toda a comitiva que acompanhou o presidente Jair Bolsonaro em Nova York, nos Estados Unidos, permaneça em quarentena por 14 dias assim que retornar ao Brasil. A iniciativa é uma tentativa de evitar um possível surto nos contágios após o ministro da Saúde Marcelo Queiroga testar positivo para a Covid-19.

Segundo informou o jornal O Globo, um ofício com as recomendações de isolamento e outras medidas sanitárias a serem adotadas pelo grupo foi encaminhado durante a madrugada pela agência para a Casa Civil.

De acordo com o ofício, todos os integrantes, incluindo Bolsonaro, devem seguir as recomendações. Além do contaminado Queiroga que ficou em isolamento nos EUA, estiveram com o presidente nos Estados Unidos para a Assembleia Geral da ONU outras 17 pessoas.

São elas: a primeira-dama Michelle Bolsonaro; o filho do presidente e deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP); e os ministros Carlos Alberto França, das Relações Exteriores; Paulo Guedes, da Economia; Augusto Heleno, da Segurança Institucional; Joaquim Leite, do Meio Ambiente; Anderson Torres, da Segurança Pública; Gilson Machado, do Turismo; Luiz Eduardo Ramos; Secretaria-Geral; e Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica.

A comitiva contou ainda com três intérpretes e com o advogado Rodrigo de Bittencourt Mudrovitsch, além do secretário especial de Assuntos Estratégicos, almirante Flávio Viana Rocha, e de representantes do Brasil nos EUA e na ONU, Nestor José Forster e Ronaldo Costa Filho.

Queiroga foi o segundo caso da doença detectado na comitiva, o primeiro é de um diplomata,  confirmado na segunda-feira 20 por integrantes do grupo. Segundo nota oficial do governo, não há outros contaminados. Não há, porém, informações de quantas foram pessoas que estiveram em contato com o ministro e outros membros da comitiva presidencial. Queiroga teve ao menos três compromissos oficiais em Nova York. Ele participou do encontro com Boris Johnson, primeiro-ministro do Reino Unido, de uma reunião com investidores e de um encontro com Michelle Bolsonaro e empresários sobre medicamentos para doenças raras.

Queiroga também esteve ao lado de Bolsonaro em diversas aparições públicas do presidente, incluindo aquelas em que o ex-capitão aparece sem máscara, como as conversas com apoiadores e o episódio da pizza na calçada.

Confira quais foram as orientações da Anvisa para a Presidência da República:

1) desembarque no Brasil de forma a expor o mínimo possível ambientes e pessoas;

2) isolamento de 14 dias após o último dia de contato com o caso confirmado de Covid-19, conforme o Guia de Vigilância Epidemiológica para Covid-19 publicado pelo Ministério da Saúde;

3) cumprimento de isolamento na cidade de desembarque no Brasil, evitando novos deslocamentos até que tenham ultrapassado o período de transmissibilidade do vírus;

4) refazer os testes de Covid-19 no Brasil.

Limpeza e desinfecção das aeronaves usadas pela comitiva também foram recomendadas pela agência.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem