Bolsonaro diz que pode não aceitar o resultado de 2022 e volta a mentir sobre eleições de 2014

'Se esse método continuar aí, sem a contagem pública, eles vão ter problemas', afirmou o presidente em entrevista a uma rádio gaúcha

O presidente da República, Jair Bolsonaro, afirmou sem provas que Aécio Neves ganhou eleição contra Dilma Rousseff. Foto: Reprodução

O presidente da República, Jair Bolsonaro, afirmou sem provas que Aécio Neves ganhou eleição contra Dilma Rousseff. Foto: Reprodução

Política

O presidente Jair Bolsonaro voltou a mentir sobre as eleições no Brasil e a sinalizar que não aceitará o resultado do pleito presidencial de 2022, caso o País não adote o sistema que ele defende, com a impressão do voto após registro na urna.

 

 

“Eles vão arranjar problemas para o ano que vem. Se esse método continuar aí, sem a contagem pública, eles vão ter problemas. Porque algum lado pode não aceitar o resultado, e esse algum lado obviamente é o nosso lado. Queremos transparência, o voto auditável”, disse o presidente em entrevista nesta quarta-feira 7 à Rádio Guaíba.

Sem apresentar quaisquer evidências, o ocupante do Palácio do Planalto também tornou a afirmar que Aécio Neves (PSDB) teria derrotado Dilma Rousseff (PT) nas eleições de 2014.

“Eu vou mostrar para vocês como foi o 2º turno de 2014. Vocês vão ter uma surpresa. Vou adiantar: o nosso levantamento, feito por gente que entende do assunto e esteve presente lá dentro, garante que sim [Aécio foi eleito]. E o que eu vi é que está comprovada a fraude de 2014. O Aécio foi eleito em 2014”, insistiu.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem