Bolsonaro diz que derrubará a obrigatoriedade do uso de máscara por vacinados ou recuperados da Covid

Sem provas, o presidente voltou a acusar governadores de 'supernotificação' de mortes pelo novo coronavírus

Foto: Reprodução/TV Brasil

Foto: Reprodução/TV Brasil

Política

O presidente Jair Bolsonaro voltou à carga com discursos anticientíficos nesta quinta-feira 10, durante evento no Ministério do Turismo. Ele adiantou que o Ministério da Saúde emitirá um parecer que desobrigará o uso de máscara por pessoas vacinadas ou que já tenham sido infectadas pelo novo coronavírus.

 

 

A medida, segundo o ocupante do Palácio do Planalto, visa “tirar esse símbolo que obviamente tem a sua utilidade para quem está infectado”.

Bolsonaro voltou a dizer que “a quarentena é para quem está infectado, não para todo mundo, porque ela destrói empregos”. Ele também tornou a mencionar um relatório com dados não comprovados sobre as mortes por Covid-19 no Brasil, produzido pelo auditor do Tribunal de Contas da União Alexandre Figueiredo Costa Silva Marques. Na quarta-feira 9, o TCU afastou o servidor.

O suposto documento feito por Marques, que foi usado por Bolsonaro na segunda-feira 7, dizia que 50% das mortes registradas por Covid-19 no Brasil, na verdade, tiveram outras causas.

No mesmo dia, o TCU desmentiu o presidente sobre os números citados. “O TCU esclarece que não há informações em relatórios do tribunal que apontem que ‘em torno de 50% dos óbitos por Covid no ano passado não foram por Covid’, conforme afirmação do Presidente Jair Bolsonaro divulgada hoje”, diz o texto.

Na terça-feira 8, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), membro da CPI da Covid, afirmou que é urgente a necessidade de aprovar a quebra dos sigilos do auditor.

“O relatório é bastante claro, dizendo que o critério adotado pelo Ministério da Saúde poderia levar à prática da supernotificação de casos de Covid, para que governadores ganhassem mais recursos do governo federal. TCU foi exemplar”, insistiu o presidente.

De acordo com ele, “alguns governadores, para justificar a supernotificação, decretavam lockdowns e toque de recolher.

“Não errei uma sequer. E não foi da minha cabeça, mas conversando com pessoas. Como o Arthur Weintraub [ex-assessor da Presidência e irmão do ex-ministro da Educação Abraham Weintraub], uma mente privilegiada. Trazia documentos para mim, pesquisas, fazia contatos e a gente foi aprendendo o que era aquilo”, acrescentou, em referência à pandemia.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem