Bolsonaro diz que auxílio emergencial vai até dezembro, mas não sabe o valor

Presidente frisou que o benefício custa caro aos cofres do governo e que 'não pode ser eterno'

O presidente Jair Bolsonaro. Foto: Isac Nóbrega/PR

O presidente Jair Bolsonaro. Foto: Isac Nóbrega/PR

Política

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que o programa do auxílio emergencial ficará em vigor até o mês de dezembro, mas possivelmente com um valor menor.

Em discurso no Rio Grande do Norte, nesta sexta-feira 21, o chefe do Palácio do Planalto afirmou que o socorro à renda de informais e desempregados custa caro aos cofres públicos e não poderá ser definitivo.

“O auxílio emergencial foi bem-vindo, mas ele custa 50 bilhões de reais por ano. Infelizmente, ele não pode ser definitivo. Mas vamos continuar com ele, mesmo que seja com valores diferentes, até que a economia realmente possa pegar em nosso País”, disse o presidente.

 

Em seguida, Bolsonaro respondeu à provocação de uma apoiadora, que pediu a prorrogação do benefício até o fim do ano.

“Vai ser até dezembro, só não sei o valor”, afirmou. “São 50 bilhões por mês, para deixar bem claro aqui, tá? Então, enquanto for possível, nós o manteremos.”

Bolsonaro pediu ainda “consciência” de que o auxílio “não pode ser eterno”. Ao fim do discurso, prometeu voltar ao Rio Grande do Norte.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem