Bolsonaro chama Greta Thunberg de pirralha por criticar morte de índios

 A jovem disse que as populações indígenas têm sido mortas no Brasil por proteger a floresta amazônica

(Foto: Alan Santos/PR)

(Foto: Alan Santos/PR)

Política

O presidente Jair Bolsonaro criticou a ativista sueca Greta Thunberg que tem se posicionado em defesa dos líderes indígenas após o assassinato de dois guajajaras no Maranhão no sábado 7. A jovem disse que as populações indígenas têm sido mortas no Brasil por proteger a floresta amazônica.

Nesta terça-feira 10, na entrada do Palácio do Alvorada, Bolsonaro chamou a jovem de pirralha e questionou o espaço dado à ativista pela imprensa. “Qual o nome daquela menina lá? De fora, lá? Greta. A Greta já falou que os índios morreram porque estavam defendendo a Amazônia. É impressionante a imprensa dar espaço para uma pirralha dessa aí. Pirralha”, declarou.

 

O presidente ainda falou da intenção do governo de cumprir a lei e reduzir o desmatamento ilegal no país. Entre agosto de 2018 e julho de 2019, o Brasil bateu o recorde do desmatamento na Amazônia desta década. “Preocupa, qualquer morte preocupa. Nós queremos cumprir a lei, somos contra o desmatamento ilegal, somos contra a queimada ilegal. Tudo que for contra a lei nós somos contra”, disse.

Na segunda-feira 9, o ministro da Justiça, Sergio Moro, anunciou portaria que autorizou o envio da Força Nacional para a segurança de índios no Maranhão. A Terra Indígena Arariboia, com 413 mil hectares e 12 mil índios, e que vive um clima de tensão desde que o líder Paulo Paulino Guajajara foi morto, foi deixada de fora.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem