Bolsonaristas têm contas no Twitter bloqueadas internacionalmente

Determinação veio do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, que conduz o inquérito das fake news

O ministro Alexandre de Moraes._Foto: Rosinei Coutinho/STF

O ministro Alexandre de Moraes._Foto: Rosinei Coutinho/STF

Política

As contas de apoiadores do presidente Jair Bolsonaro que já tinham sido bloqueadas nacionalmente pelo Twitter no último dia 24 foram tiradas do ar internacionalmente nesta quinta-feira 30.

A questão é que, depois de terem suas contas banidas no País, os bolsonaristas Sara Giromini (Sara Winter) e o jornalista Bernardo Küster alteraram as configurações de localidade do perfil e, dessa forma, continuaram usando a rede social. A manobra foi interrompida.

O drible ao bloqueio foi noticiado pela coluna Painel, da Folha de S. Paulo, no próprio dia 24, data em que Winter, por exemplo, escreveu um post chamando Moraes de “ditador de merda” em sua conta bloqueada no Brasil.

Küster também divulgou um passo a passo de como alterar as configurações da conta para fora do país e continuar utilizando. Perfis com localização fora do Brasil conseguem visualizar essas contas ocultadas pela decisão de Moraes.

Também tiveram suas contas suspensas, no âmbito da investigação do inquérito das fake news, figuras como o ex-deputado Roberto Jefferson (PTB), o blogueiro Allan dos Santos e os empresários Luciano Hang (da Havan) e Edgard Corona (das academias Smart Fit).

Nesta quinta, Winter desabafou em nova conta: “Fui censurada no MUNDO! Ajudem a compartilhar essa mensagem: existem presos políticos e censurados no Brasil! Darei centenas de entrevistas na América Latina e Estados Unidos para denunciar tais abusos! DITADORES VÃO CAIR!”.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem