Educação

Bolsonaristas reclamam de ‘viés ideológico’ na Conferência Nacional de Educação e pedem adiamento

Em nota, frentes parlamentares acusam a Conae de tratar pautas conservadoras com ‘adjetivos pejorativos’

O movimento “Escola Sem Partido“ difunde a delirante tese de que os estabelecimentos regulares de ensino promovem “doutrinação marxista“. (FOTO: Redes Sociais )
Apoie Siga-nos no

Treze frentes parlamentares do Congresso Nacional solicitaram, em nota, o adiamento da Conferência Nacional de Educação, a Conae, que está marcada para os dias 28, 29 e 30 de janeiro, em Brasília.

Promovida pelo Ministério da Educação, a Conae foi convocada pelo governo para realizar discussões sobre o Plano Nacional de Educação 2024-2034, em conjunto com autoridades, sindicatos, movimentos sociais, entidades e profissionais da área.

Entre as signatárias do pedido de adiamento, estão a Frente Parlamentar da Agropecuária e a Frente Parlamentar do Empreendedorismo, as mais poderosas do Congresso. Também assina o manifesto a Frente Parlamentar Evangélica, uma das bancadas mais conservadoras.

A maioria dos deputados que representam as frentes são apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

No texto, as frentes relatam “preocupação” com o Documento Referência divulgado pelo governo em 18 de outubro. O texto em questão formula diretrizes para a construção do Plano Nacional de Educação.

Os parlamentares acusam o documento de expor “diversas questões político-ideológicas sem embasamento científico” e de introduzir “adjetivos pejorativos dirigidos a setores da população não contemplados pelas visões dos organizadores da Conae”.

Um dos trechos questionados chama de “políticas educacionais de base ultraconservadoras” a educação domiciliar, a militarização das escolas, a retomada da privatização da educação e as intervenções do movimento Escola Sem Partido e do agronegócio.

As frentes também reclamam de “ênfase na participação dos movimentos de afirmação da diversidade, em detrimento de movimentos voltados à educação” e de “ausência da comunidade científica e de referência ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação”.

Além do adiamento da Conae, as bancadas pedem a prorrogação do plano nacional que está em vigor.

Veja quem assina a nota:

    • Deputada Ana Paula Leão (PP-MG): Presidente da Frente Parlamentar em Apoio aos produtores de leite;
    • Deputado General Girão (PL-RN): Presidente da Frente Parlamentar Mista em Prol do Semiárido;
    • Deputado Domingos Sávio (PL-MG): Presidente da Frente Parlamentar pelo Comércio e Serviços;
    • Deputado Joaquim Passarinho (PL-PA): Presidente da Frente Parlamentar do Empreendedorismo;
    • Deputado Luiz Philippe de Orleans e Bragança (PL-SP): Presidente da Frente Parlamentar pelo Livre Mercado;
    • Deputada Bia Kicis (PL-DF): Presidente da Frente Parlamentar Brasil x Texas;
    • Deputada Rosângela Moro (União-SP): Presidente da Frente Parlamentar pela Inovação e Tecnologia em Doenças Raras;
    • Deputado Evair Vieira de Melo (PP-ES): Presidente da Frente Parlamentar da Inovação em Biotecnologia;
    • Deputado Alberto Fraga (PL-DF): Presidente da Frente Parlamentar da Segurança Pública;
    • Deputado Sargento Gonçalves (PL-RN): Diretor da Frente Parlamentar Evangélica;
    • Deputado Capitão Alberto Neto (PL-AM): Presidente da Frente Parlamentar do Sistema Penitenciário;
    • Deputado Pedro Lupion (PP-PR): Presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária.
    • Deputada Adriana Ventura (Novo-SP): Presidente da Frente Parlamentar da Saúde Digital e Frente Parlamentar Mista de Fiscalização, Integridade e Transparência.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.