Política

“É da Igreja para a Igreja”, diz bispo sobre evento na mira do governo

Em meio ao curioso interesse do governo nas atividades da Igreja Católica, o secretário-geral da CNBB divulgou um breve esclarecimento

Dom Leonardo Steiner, secretário-geral da CNBB
Dom Leonardo Steiner, secretário-geral da CNBB

Em meio ao curioso interesse do governo nas atividades da Igreja Católica, o bispo Dom Leonardo Steiner, secretário-geral da CNBB, gravou um breve vídeo a respeito do Sínodo do Amazônia, principal das preocupações do general Augusto Heleno, chefe do GSI.

O governo teme que o Sínodo se torne palco para um ataque às políticas de Jair Bolsonaro, culminando na ascensão da Igreja Católica como força opositora ao governo. O evento acontecerá em Roma e está previsto para o mês de outubro.

No vídeo, o bispo diz que o Sínodo está na agenda clerical desde 2017 – quando a vitória de Jair Bolsonaro não passava de alívio cômico. Ele reforça também que o evento é “uma celebração da Igreja para a Igreja” que envolve os povos e o meio ambiente na região amazônica.

Leia também: Papa Francisco alerta para avanço do populismo

“Toda essa realidade, certamente será abordada. Mas o Santo Padre, no entanto, deseja que encontremos novos caminhos para a evangelização, para a Pan-Amazônia”. O bispo também pede, no vídeo, que os brasileiros e as populações dos outros oito países que integram a região rezem pela boa realização do Sínodo.

No domingo, uma reportagem do Estadão revelou que a Abin (Agência Brasileira de Inteligência), com o apoio de comandos militares, mantinha relatórios das ações da Igreja Católica. Esses informes mencionavam, por exemplo, encontros entre cardeais brasileiros e o Papa Francisco para discutir a realização do evento.

Leia também: Papa diz que Igreja jamais voltará a acobertar abusos sexuais

Em nota divulgada na segunda 11, o GSI confirmou que o general Heleno está preocupado “com alguns pontos da pauta” do Sínodo, mas negou que a Igreja fosse alvo de ações da Abin. “Parte dos temas do referido evento tratam de aspectos que afetam, de certa forma, a soberania nacional. Por isso, reiteramos o entendimento do GSI de que cabe ao Brasil cuidar da Amazônia Brasileira”.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!