Bia Kicis incentiva motim da PM da Bahia contra governador Rui Costa

Caso ocorreu após morte de policial que protestava em Salvador com tiros para o alto

Bia Kicis inventiva motim na PM da Bahia após morte de policial.

Bia Kicis inventiva motim na PM da Bahia após morte de policial.

Política

A presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados, Bia Kicis (PSL-DF), utilizou suas redes sociais nesta segunda-feira 29 para incentivar um motim da Polícia Militar da Bahia contra o governador Rui Costa (PT-BA), após a morte do soldado Wesley Soares Góes no domingo 28.

 

 

“Soldado da PM da Bahia abatido por seus companheiros. Morreu porque se recusou a prender trabalhadores. Disse não às ordens ilegais do governador Rui Costa da Bahia. Esse soldado é um herói. Agora a PM da Bahia parou. Chega de cumprir ordem ilegal!”, escreveu Bia em seu Twitter. 

Após a repercussão negativa do caso, a deputada apagou suas postagens feitas em suas redes sociais.

O policial foi ao Farol da Barra, tradicional ponto turístico de Salvador, fardado e armado com um fuzil e uma pistola. O PM gritava “venham testemunhar a honra ou desonra do policial militar da Bahia” e iniciou disparos para o alto.

A Polícia Militar isolou a área e chamou a equipe do BOPE para tentar negociar com o policial. Em um certo momento, Wesley atirou contra os militares e acabou atingido.

O policial foi levado ao hospital, mas não resistiu e faleceu na madrugada desta segunda.

Em um vídeo, o major Cledson Conceição, comandante do BOPE, explicou como foram feitas as negociações. “Ele não falava coisas com sentido e estava bem transtornado. Após um período longo de negociações, o policial efetuou vários disparo contra nossa equipe e tivemos que reagir”.

 

 

Após a morte de Wesley, manifestantes foram até a porta do hospital e gritaram palavras de ordem.

 

O governo da Bahia ainda não se pronunciou sobre o caso

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Post Tags
Compartilhar postagem