…

Avião com cocaína ia para a cidade de ex-assessor de Blairo Maggi

Política

Atualização: Avião com cocaína não decolou da fazenda de Blairo Maggi, diz PF

A aeronave interceptada no domingo 25 pela Força Aérea Brasileira (FAB) com meia tonelada de cocaína decolou de uma fazenda do ministro da Agricultura, mas a empresa de Blairo Maggi diz não ter ligação com o avião, nem autorizado o uso de suas pistas.

O destino do voo parece apontar de novo para o ministro, graças a um personagem vinculado a ele e ao ex-deputado Eduardo Cunha.

O avião, diz a FAB, ia para Santo Antonio de Leverger, a 400 quilômetros da fazenda. A cidade mato-grossense é terra de um ex-funcionário do gabinete de Maggi no Senado.

Com mandato por Mato Grosso desde 2011, Maggi contratou em abril daquele ano, como assessor técnico, Rodrigo José Pereira Leite Figueiredo, ex-morador de Leverger, berço de seu pai, Milton Teixeira Figueiredo.

Os locais de decolagem e de destino do avião foram informados pelo piloto à FAB. Quando estava no ar, ele foi interrogado por rádio, topara pousar em um local indicado e entregar-se. A Força Aérea tem feito uma operação de combate ao narcotráfico, batizada de Ostium, e assim identificou o avião.

Após o interrogatório, o piloto mudou de ideia, aterrissou em uma área distante daquela combinada e fugiu antes da chegada de alguma autoridade. A Polícia Federal investiga o caso e tenta encontrá-lo.

Figueiredo trabalhou no gabinete de Maggi no Senado até maio de 2013. Deixou o emprego para chefiar o escritório que em Brasília representa a capital do estado de ambos, Cuiabá. Durou pouco. Em 14 de agosto, virou secretário de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura. Na ocasião, a pasta era comandada pelo então deputado Antonio Andrade, do PMDB, atual vice-governador mineiro.

Cunha apadrinhou a nomeação de Figueiredo para o ministério. O condenado era naquela época líder do PMDB na Câmara e havia sido a bancada a responsável por fazer de Andrade ministro em março de 2013. Em 6 de junho daquele ano, Cunha mandou um ofício a Andrade no qual solicita cargos para três indicados: Figueiredo, Pedro de Camargo Neto e Flavio Braile Turquino.    

A solicitação ficou cadastrada no sistema interno da pasta com a seguinte descrição: “Dirige-se ao senhor ministro para encaminhar os currículos (em anexo) dos senhores Pedro de Camargo Neto, Flávio Braile Turquino e Rodrigo José Pereira-Leite Figueiredo, com vistas a ocuparem diretorias na secretaria de defesa agropecuária – SDA/MAPA”.

Na delação premiada em que faz acusações contra Cunha e o presidente Michel Temer, entre outros, Joesley Batista, um dos donos da JBS Friboi, aponta Figueiredo como um apadrinhado de Cunha que favoreceu o frigorífico com decisões no Ministério da Agricultura. Lúcio Funaro, doleiro do coração de Cunha, contou história parecida à PF.

Figueiredo ficou na Secretaria de Defesa Agropecuária até fevereiro de 2015. Foi exonerado pela ocupante do ministério no abreviado segundo governo Dilma Rousseff, Katia Abreu.

Em conversas reservadas, a senadora pelo PMDB de Tocantins diz que Figueiredo era homem de Cunha e da Friboi no ministério e que usava o cargo para beneficiar a empresa e arrumar grana para o “padrinho”.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem