Após união de partidos, Doria desiste de tirar dinheiro de universidades

Projeto apresentado pelo tucano extingue dez órgãos públicos, responsáveis por diferentes áreas como saúde, habitação e transporte

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB). Foto: Governo do Estado de São Paulo

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB). Foto: Governo do Estado de São Paulo

Política

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), recuou nesta quinta-feira 9 e decidiu excluir universidades estaduais paulistas e a Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) do Projeto de Lei (PL) 529.

Apresentado há dois meses, o PL determina que o superávit financeiro de 2019 das universidades estaduais (USP, Unesp e Unicamp) e da Fapesp seja transferido ao tesouro estadual para uso no orçamento de 2021.

O projeto também extingue dez órgãos públicos, responsáveis por diferentes áreas como saúde, habitação e transporte.

A proposta, no entanto, não foi bem recebida pela Assembleia Legislativa do Estado (Alesp). Pela primeira vez na casa houve uma junção de PT, PSL, PSOL, Novo e outras sete legendas para obstruir a votação.

A retirada dos recursos das universidades, que só neste ano perderiam 1 bilhão de reais, é um dos pontos que enfrenta maior resistência e mobilizou a comunidade acadêmica e científica.

Entre os setores que se mobilizaram contra o pacote estão órgãos tão diversos quanto o Fórum Paulista do Agronegócio, sindicatos e associações de funcionários públicos e o Conselho dos Reitores das Universidades Estaduais (Cruesp).

 

 

O Conselho de Reitores das Universidades Estaduais Paulistas (Cruesp) divulgou uma nota na noite da última quinta-feira 8.

“Felizmente, vários parlamentares e lideranças da sociedade civil sensibilizaram-se com os argumentos do Cruesp e da comunidade acadêmica e manifestaram apoio intransigente à autonomia universitária, reconhecendo a inegável contribuição das universidades estaduais paulistas e da Fapesp para o desenvolvimento científico e tecnológico do Estado e do país”, diz a nota.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem