Política

Após ser demitido da Unifesp, Weintraub ataca o PT e diz que vai recorrer da decisão

Ex-ministro de Bolsonaro chamou a Controladoria-Geral da União de “CGU de Lula”

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

Após ser demitido da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) por faltas injustificadas, Abraham Weintraub afirmou nesta quarta-feira 7 que vai recorrer da decisão. O ex-ministro de Jair Bolsonaro (PL) fez ainda críticas à Lula e ao PT.

Em uma transmissão ao vivo, Weintraub chamou a Controladoria-Geral da União de “CGU de Lula” e afirmou que a decisão se tratava, na verdade, de uma perseguição política por parte do presidente e do PT.

Weintraub afirmou que irá recorrer judicialmente da decisão que o tornou inelegível para continuar com o seu projeto eleitoral. Ele se lançou “pré-candidato” de forma independente, algo vedado pela legislação brasileira.

Segundo ele, o devido processo legal não foi respeitado e seu advogado não foi intimado antes da publicação da sua demissão no Diário Oficial da União (DOU).

Além da perda do cargo, a CGU ainda determinou a sua inelegibilidade pelo prazo de 8 anos, para cargos efetivos e em comissão ou ainda em funções de confiança no Poder Público.

Entenda a decisão da CGU

A demissão de Weintraub vem de uma investigação interna na universidade por faltas injustificadas.

Segundo o Portal da Transparência, o ex-ministro era professor do ensino superior desde 2014, com obrigação de cumprimento de carga horária de 40 horas semanais.

A apuração, aberta em abril de 2023 a partir de uma denúncia na ouvidoria da instituição, apontou que o ex-ministro se ausentou diversas vezes de suas funções, sem justificativas. Desde 2023, os salários de Weintraub estão suspensos.

A mulher dele, Daniela Weintraub, também foi alvo de apurações internas da Unifesp por faltas injustificadas.

Em uma live no Youtube, em agosto de 2023, o ex-ministro afirmou que ele e a esposa se afastaram da universidade no final de 2018.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo