Política

Após ‘retratação’, Valadão diz que vídeo foi publicado para evitar direito de resposta

Pastor publicou mensagem em que supostamente se retrata pela divulgação de falsas acusações contra o ex-presidente Lula

(crédito: Reprodução/Instagram @andrevaladao)
Apoie Siga-nos no

O pastor André Valadão, da Igreja de Lagoinha, em Belo Horizonte, publicou mensagem em suas redes sociais nesta quinta-feira 20 explicando vídeo divulgado em que se “retratava” por disseminar informações falsas sobre o candidato à Presidência da República, Luiz Inácio Lula da Silva (PT). 

O religioso havia dado a entender haver sido condenado a se retratar publicamente pelas declarações, no entanto, o Tribunal Superior Eleitoral negou a existência da decisão em desfavor a Valadão. 

Na mensagem, o pastor explica que após se intimado para tomar conhecimento da ação movida contra ele pela campanha petista, se adiantou e gravou o vídeo para impedir que sei perfil fosse invadido por um “pseudo direito de resposta”. 

“Recebi citação do TSE para que me manifestasse, no prazo de 1 (um) dia, sobre representação da Coligação do Lula, em que eles pediam que houvesse direito de resposta a um vídeo em que falei sobre a relação entre Lula e temas como aborto, descriminalização das drogas, furtos, regulação da mídia e liberdade de expressão. Desejavam que, pelo mesmo veículo (meu perfil no Instagram), eu desdissesse o que havia gravado.

A fim de que o pedido perdesse o objeto, para que não houvesse invasão ao meu perfil, sob o manto de um pseudo direito de resposta, gravei o vídeo em sentido contrário ao inicialmente feito”, diz a publicação. 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo