Política

Após ofensiva da oposição, Saúde diz que dança em evento é ‘inapropriada’ e não se repetirá

Segundo a pasta, trata-se de um episódio isolado. Bolsonaristas se mobilizaram nas redes sociais contra o evento

Reprodução/Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

O Ministério da Saúde admitiu, em nota divulgada nesta sexta-feira 6, que a apresentação de uma bailarina durante um evento promovido pela Secretaria de Atenção Primária à Saúde na quinta 5 foi “inapropriada”.

Imagens do Encontro de Mobilização da Promoção da Saúde no Brasil mostram uma dançarina rebolando ao som da música Batcu, de Aretuza Lovi com participação de Valesca Popozuda.

“O Ministério da Saúde lamenta pelo episódio isolado, que não reflete a política da Secretaria e nem os propósitos do debate sobre a promoção à saúde realizados no encontro, e adotará medidas para que não aconteça novamente”, ressaltou a pasta.

A apresentação logo virou alvo da oposição nas redes sociais. O deputado federal Sóstenes Cavalcante (PL-RJ) chegou a protocolar um requerimento para convocar a ministra Nísia Trindade a prestar esclarecimentos à Câmara.

O senador Ciro Nogueira (PP-PI) comentou o caso em seu perfil no X. “Chocante como a ideologia contaminou o governo do PT? Atenção primária é isso aí? É isso que salva vidas num sistema que a OMS colocou em 125º lugar?”, escreveu.

O deputado Rodrigo Valadares (União-SE) também repudiou vídeo. “Vejam a que nível chegou o Brasil. Esse é o 1º Encontro de Mobilização para a Promoção da Saúde no Brasil e a apresentação é uma imoralidade desta, tudo financiado com o seu dinheiro.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo