…

Após fala de Mourão, Sheherazade adere à campanha contra Bolsonaro

Política

Uma declaração do general Mourão, candidato a vice na chapa de Jair Bolsonaro (PSL), foi a gota d’água para a jornalista Rachel Sheherazade, conhecida por seus posicionamentos conservadores e contra os direitos humanos.

Leia também:
Como Dom Pedro I, Mourão quer Constituição “digna dele próprio”
“Se Bolsonaro ganhar, choro e saio da política”, declara Ciro

Na segunda-feira 17, Mourão superou-se ao afirmar que famílias pobres “sem pai e avô”, mas com mãe e avó, são “fábricas de desajustados” que fornecem mão de obra ao tráfico de drogas. Foi a senha para Sheherazade publicar uma postagem em seu Twitter com hashtag #elenão, usada por opositores de Bolsonaro nestas eleições.

No Brasil, segundo dados do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), com base no Censo Escolar de 2011, 5,5 milhões de crianças não têm o nome do pai em seus documentos.

“Sou mulher. Crio dois filhos sozinha. Fui criada por minha mãe e minha avó. Não. Não somos criminosas. Somos heroínas! #elenao”, escreveu a jornalista.

Em 2014, a jornalista chamou a atenção ao criticar os “defensores dos direitos humanos” que condenaram o fato de um grupo de jovens ter detido um suposto assaltante e o deixado nu amarrado a um poste. “Leva pra casa”, declarou, para a alegria da direita mais raivosa.

Os apoiadores de Bolsonaro que a seguem nas redes sociais lembraram que ela já trocou palavras carinhosas com o candidato do PSL. Em 2015, o então deputado afirmou que a jornalista era “uma das poucas profissionais” que cumpriam “o papel imparcial do jornalismo brasileiro”. Sheherazade respondeu na ocasião. “Obrigada deputado! Mantenha-se firme também! Deus o abençoe e a seus filhos”.

Neste ano, a jornalista já tinha feito declarações contra Bolsonaro, ao equipará-lo a Lula, a quem sempre critica. “Bolsonaro e Lula: os ‘opostos’ cada vez mais parecidos’, escreveu

Criticada por apoiadores de Bolsonaro ao se posicionar contra o candidato nesta terça-feira 18, Sheherazade afirmou: “Pare de se iludir e tentar encobrir todas as atrocidades do seu candidato. Faça um exame de consciência e veja se é esse clima de ódio que vc deseja para o nosso país. Abraços!”

Ela respondeu também um comentário que ironizava seu suposto “apoio à esquerda”. “Isso não é um apoio aos comunistas. É um repúdio aos fascistas.”

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem