Após fala de Bolsonaro na ONU, Mourão admite alta no desmatamento de 2019 a 2020

'A gente não nega que houve aumento. Não pode negar, não tem como', afirmou o general aos jornalistas

Foto: Bruno Batista/VPR

Foto: Bruno Batista/VPR

Política

O vice-presidente Hamilton Mourão reconheceu nesta quarta-feira 22 que houve alta no desmatamento da Amazônia nos primeiros dois anos do atual governo, apesar de uma suposta diminuição nos últimos três meses, citada sem apresentar dados. A fala vem um dia após o presidente Jair Bolsonaro apresentar ao mundo, em discurso na 76ª Assembleia-Geral das Nações Unidas (ONU), visão distorcida sobre a política ambiental brasileira, criticada internacionalmente e elogiada pelo Planalto.

“A realidade é que, nos último três meses, houve essa tendência bem grande de diminuição do desmatamento, independente o que ocorreu nos dois anos anteriores, que a gente não nega que houve aumento. Não pode negar, não tem como. Mas tem havido esforço grande do governo no sentido da gente mitigar esses efeitos”, afirmou Mourão a jornalistas.

Como mostrou ontem o Estadão/Broadcast Político, a Amazônia perdeu 1.606 km² de vegetação em agosto, alta de 7% na comparação anual, uma realidade totalmente diferente da apresentada por Bolsonaro na ONU. Em seu discurso, o presidente afirmou que a floresta registrou redução de 32% em seus níveis de desmatamento no mês passado.

Mourão evitou avaliar o discurso de Bolsonaro nas Nações Unidas – limitou-se a dizer que o chefe do Executivo “não foi a fundo em questões globais”. “Presidente apresentou dentro da nossa visão, do nosso governo, a situação que o País vive. Acho que ele não foi muito a fundo em questões globais”, declarou o vice-presidente, que preferiu não comentar as citações de Bolsonaro a remédios sem eficácia comprovada contra a Covid-19 em seu pronunciamento.

“O discurso da ONU é uma peça só. Vem sendo dado muito destaque a isso por causa da forma com que nosso governo atua, mas na realidade a imagem do Brasil é um processo contínuo”, minimizou o vice-presidente, sobre os impactos do discurso considerado negacionistas de Bolsonaro no encontro bilateral. Além da defesa de medicamentos ineficazes contra o novo coronavírus e a distorção da realidade da Amazônia, o líder do Planalto ganhou as manchetes da imprensa internacional por criticar o chamado “passaporte da vacina” e por ter sido o único chefe do Estado do G20 a se declarar não imunizado.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem