Após aplaudir chacinas, secretário de Temer é obrigado a se demitir

Política

Mais um integrante da equipe de Michel Temer deixa o governo pela porta dos fundos. Na noite da sexta-feira 6, o secretário nacional da Juventude, Bruno Júlio, pediu demissão após dar uma entrevista classificada de infeliz pelo Palácio do Planalto a respeito dos massacres nos presídios em Manaus e em Roraima.

“Sou meio coxinha sobre isso”, afirmou ao colunista Ilimar Franco, de O Globo. “Sou filho de polícia, né? Sou meio coxinha. Tinha era que matar mais. Tinha que fazer uma chacina por semana”. O ex-secretário acrescentou: “Está havendo uma valorização muito grande da morte de condenados, muito maior do que quando um bandido mata um pai de família”. 

Júlio simplesmente ignorou a brutalidade das chacinas. Em Manaus, 56 presos foram mortos durante uma rebelião no complexo penitenciário Anísio Jobim nos dois primeiros dias do ano. Muitos tiveram a cabeça decapitada. Na sexta 6, a violência se repetiu na Penitenciária Agrícola de Monte Cristo, em Boa Vista, onde o número de assassinados chegou a 33, após as autoridades encontrarem no sábado 7 outros dois corpos enterrados na cozinha da cadeia.

Por meio de sua página no Facebook, Júlio tentou minimizar a declaração, mas o estrago estava feito. Em uma postagem na rede social, o ex-secretário voltou a escorregar: “O que quis dizer foi que, embora o presidiário também mereça respeito e consideração, temos que valorizar mais o combate à violência com mecanismos que o Estado não tem conseguido colocar à disposição da população”.

Filiado ao PMDB, filho do ex-deputado federal Cabo Júlio, o ex-secretário é investigado por agredir a mulher em Belo Horizonte. Júlio também é acusado de assédio sexual por uma ex-funcionária.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem