Política

Apagão ocorreu em subsidiária da Eletrobras no Ceará, diz ministro de Minas e Energia

‘Mais do que nunca é necessária a participação da Polícia Federal na investigação’, afirmou Alexandre Silveira nesta quarta

O ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira. Foto: Joédson Alves/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, afirmou nesta quarta-feira 16 que o apagão responsável por deixar 25 estados e o Distrito Federal sem energia elétrica aconteceu em uma linha subsdiária da Eletrobras em Fortaleza (CE). A falha, segundo ele, foi registrada em documentos internos e está solucionada.

A Chesf, responsável pelo gerenciamento da linha entre Quixadá e a capital cearense, admitiu o problema no sistema. Para o ministro, porém, o evento foi de “pouca magnitude” e a falha, sozinha, não seria capaz de causar um apagão daquela proporção.

“A Chesf admitiu o erro, que não protegeu o sistema adequadamente nessa linha de transmissão. Essa falha em si não seria capaz de causar um evento de tal magnitude. Portanto, todas as possibilidades estão sendo avaliadas. A penalização depende das apurações”, disse Silveira.

O ministro se reuniu com representantes do Operador Nacional do Sistema Elétrico nesta quarta. Ao final do encontro, o diretor da ONS Luiz Ciocchi evitou descartar a hipótese de o apagão ter sido ocasionado por ação humana.

“Mais do que nunca é necessária a participação da Polícia Federal na investigação, já que o ONS não apontou falha técnica que pudesse causar na dimensão que foi. Hoje, não podemos dizer se houve ou não houve falha humana“, acrescentou Silveira.

Mais cedo, o ministro da Casa Civil, Rui Costa, atribuiu o incidente a um “erro técnico” no sistema e garantiu que não existem problemas na oferta de energia no País. A Polícia Federal investiga as causas do apagão.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo