Ao votar, vice de Covas pede que ‘questões pessoais’ fiquem de lado

'Nossa democracia ainda é jovem, acho que fica uma grande experiência', disse Ricardo Nunes neste domingo 29

Ricardo Nunes e Bruno Covas. Reprodução/Instagram

Ricardo Nunes e Bruno Covas. Reprodução/Instagram

Política

O vereador Ricardo Nunes (MDB), candidato a vice na chapa do prefeito Bruno Covas (PSDB), votou no início da tarde deste domingo, 29, acompanhado da mulher, a empresária Regina Carnovale Nunes, na Escola Estadual Dom Duarte Leopoldo e Silva, onde estudou, em Socorro, na zona sul da cidade. A corrida eleitoral trouxe muita visibilidade ao casal, por causa de um boletim de ocorrência feito por Regina em 2011, alegando violência doméstica, ameaça e injúria.

 

 

Nunes disse que as críticas são normais, mas defendeu que se deixe de lado “questões pessoais”. “É o processo eleitoral, né? Às vezes acontece, acho que a gente vai amadurecendo. Nossa democracia ainda é jovem, acho que fica uma grande experiência. Acho que é importante discutir a cidade. As questões pessoais acho que é importante deixar de lado. Estamos tranquilos, com expectativas boas”, afirmou.

Em entrevista ao Estadão, Regina disse não se lembrar de ter registrado o B.O. em 2011 e ambos negaram agressões.

O vereador desejou uma boa recuperação ao candidato da chapa adversária, Guilherme Boulos (PSOL), que foi diagnosticado com Covid-19 e exibe sintomas leves da doença. Disse que tentou entrar em contato com o concorrente.

O emedebista informou que vai acompanhar a apuração em sua casa, acompanhado de Regina, e da família. Por causa da pandemia, disse, não vai estar junto com Covas e a família dele. Dependendo do resultado, vai ao diretório do PSDB para que o titular de sua chapa discurse.

“Trabalhamos bastante, agora vamos esperar o resultado”, afirmou.

Mais cedo, Nunes tomou café da manhã com Covas na casa da ex-prefeita Marta Suplicy.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem