Política

‘Altíssima e persistente rejeição a Doria preocupa’, diz Eduardo Leite

‘Todos desejam entender qual o plano de voo, o plano de ação que o candidato e sua equipe apresentam para reverter o quadro adverso’

Eduardo Leite e João Doria. Fotos: Felipe Della Valle/AFP e Valter Campanato/Agência Brasil
Eduardo Leite e João Doria. Fotos: Felipe Della Valle/AFP e Valter Campanato/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), afirmou ao Estadão/Broadcast nesta quarta-feira 9 que a avaliação da gestão de João Doria (PSDB) no governo de São Paulo preocupa uma ala do partido. O temor é que a rejeição do governador no estado – onde a legenda costuma ter bons resultados em eleições presidenciais – impeça o crescimento do projeto presidencial do partido.

“Mais que o baixo desempenho nas pesquisas, apesar da intensa exposição, especialmente pós-previas, o que mais preocupa a estes líderes do partido é a altíssima e persistente rejeição que o candidato escolhido tem no seu próprio estado, a 45 dias de deixar o mandato”, declarou Leite à reportagem.

Pesquisa mais recente do Datafolha, de dezembro, mostra que a gestão de Doria é rejeitada por 38% do estado, aprovada por 24% e considerada “regular” por 37%. “Se não consegue mostrar tendência de melhora no mandato, pode ser ainda mais difícil depois”, disse o governador gaúcho.

Leite, que perdeu as prévias tucanas para o paulista, esteve na noite desta terça-feira 8 em jantar promovido pelo ex-governador de Minas Gerais e ex-presidente do PSDB Pimenta da Veiga. O encontro reuniu caciques do partido que encabeçam um movimento contra a pré-candidatura de Doria a presidente. O deputado Aécio Neves (MG), o senador Tasso Jereissati (CE) e o ex-senador José Aníbal (SP) participaram do encontro.

Apesar da conhecida resistência dos políticos a Doria, Leite negou que tenha sido tomada qualquer decisão de saída do partido ou desembarque da pré-candidatura presidencial tucana. “Não há qualquer encaminhamento sobre desembarque de candidatura ou saída do partido”, afirmou.

De acordo com ele, a partir de agora a ideia é ampliar o debate sobre a revisão da candidatura com o partido. Leite e outros tucanos contrários a Doria combinaram que vão exigir do governador paulista e de sua equipe de campanha, o que inclui o presidente do PSDB, Bruno Araújo, coordenador da campanha de Doria, um plano detalhado que mostre que ainda daria para reverter o quadro desfavorável.

“Conversamos e ponderamos sobre o cenário e perspectivas e iremos fazer a discussão internamente no partido. Todos desejam entender qual o plano de voo, o plano de ação que o candidato e sua equipe apresentam para reverter o quadro adverso. E é isso que será demandado”, disse.

Em entrevista à Rádio Eldorado, nesta quarta, Doria classificou o encontro como “jantar de derrotados” e disse que vai poder se dedicar mais à campanha a partir de abril, quando sair do cargo de governador. “Foi um jantar de derrotados, com todo respeito. Todos eles foram derrotados nas prévias. Eu entendo que, na vida pública e também na vida privada, você tem que compreender vitórias e derrotas”, afirmou.

Pesquisa

Pesquisa Genial/Quaest divulgada nesta quarta-feira mostra que Doria está no pelotão de baixo dos presidenciáveis. Em diferentes cenários da pesquisa estimulada, Lula (PT) aparece com 45% a 47%, seguido por Jair Bolsonaro (PL), que tem 23% a 26%. Moro e Ciro registraram 7% a 9% das intenções de voto. André Janones (Avante) e João Doria (PSDB) registraram 2% a 3%. Simone Tebet (MDB), 1%. Rodrigo Pacheco (PSD) e Felipe d’Avila (Novo) não pontuaram. 7% a 9% das intenções de voto. André Janones (Avante) e João Doria (PSDB) registraram 2% a 3%. Simone Tebet (MDB), 1%. Rodrigo Pacheco (PSD) e Felipe d’Avila (Novo) não pontuaram.

Estadão Conteúdo

Estadão Conteúdo

Tags: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.