Allan dos Santos articulou demissões e indicou substitutos no governo federal, diz site

Os detalhes da articulação do blogueiro bolsonarista estão nas mensagens apreendidas pela Polícia Federal

Allan dos Santos (FOTO: Alessandro Dantas/PT no Senado)

Allan dos Santos (FOTO: Alessandro Dantas/PT no Senado)

Política

O blogueiro bolsonarista Allan dos Santos, do portal Terça Livre, articulou demissões no alto escalão de ministérios do governo federal e chegou a indicar substitutos ‘de confiança’.

Os detalhes da articulação de Allan estão nas mensagens apreendidas pela Polícia Federal e reveladas por Caio Junqueira, da CNN Brasil, nesta quinta-feira 14.

A troca de mensagens se dá entre o blogueiro e o coronel Mauro Cesar Barbosa Cid, ajudante de ordens do presidente e apontado como um dos principais auxiliares do presidente Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto.

Em uma das conversas, Allan encaminha links e comentários que comprovariam que funcionários do alto escalão do governo federal seriam ‘comunistas’ e ligados à esquerda.

Um destes nomes ‘denunciados’ ao coronel seria o de Julio Semeghini, secretário-executivo do Ministério da Ciência e Tecnologia até outubro de 2020.

“Importante: quem continua dando as cartas no MCTIC é ligado a China…Julio Semeghini. Secretário-executivo. Ligado ao PSDB. Responsável pelos nomes dos secretários da Setel (telecom) e Serad (rádio e televisão). Trocaram a equipe incompetente da Serad, mas os nomes escolhidos são bons tecnicamente mas restritivamente preocupados com a atender a agenda Julio Semeghini”, dizem as mensagens de Allan ao ajudante de ordens em junho daquele ano. As mensagens aparecem com o selo de encaminhada, indicando terem sido repassadas pelo blogueiro.

“Outro Julio que afunda o Ministério é o Conjur Jurídico comunista que desde que estou lá inviabilizou todos os projetos que ajudariam a fazer uma agenda positiva ao governo. Assessor especial do ministro e importante elo com a esquerda é Maximiliano. Comunista de carteirinha”, acrescenta o blogueiro em novas mensagens encaminhadas.

Cid então informa que Semeghini “vai cair”, o que Allan avalia ser “ótimo” e aproveita a deixa para indicar uma substituta “de confiança”: Luciana Maria Monteiro de Lima, de quem o blogueiro compartilha o contato na conversa.

A indicada não emplacou no cargo de Semeghini que atualmente é de Sergio Freitas de Almeida. Luciana ocupava desde 2019 a coordenação-geral de Pós-Outorgas do MCTIC e foi nomeada em outubro de 2020 como chefe de gabinete da Secretaria de Articulação e Promoção da Ciência, cargo do qual foi exonerada em dezembro.

O consultor jurídico Julio Cesar Ferreira Pereira, apontado como ‘comunista’, segue no cargo. Maximiliano Martinhão deixou a assessoria especial do ministro Marcos Pontes um mês após ter sido chamado de ‘comunista de carteirinha’ para assumir o cargo de secretário de Radiodifusão no ministério das Comunicações, de Fábio Faria.

Nas mensagens apreendidas pela PF, o blogueiro também faz críticas aos assessores do Ministério das Comunicações e a demissão do ministro da Educação Abraham Weintraub, que na época ainda ocupava o cargo.

Allan diz a Cid que demitir Weintraub “seria um tiro no pé” e o ajudante de ordens responde que o ministro estaria “se queimando”.

“Ele está se queimando. E não ajudando a educação. Educação, cultura…não pode cacarejar”, explica o coronel.

O blogueiro então rebate: “Ele está se queimando por se aproximar do POVO? E quem faria isso melhor? O povo engole Ramos, Jorge , Levi, Astronauta e Marcelo Alvaro Antonio (LARANJAL), mas o Abraham é um problema?”

“Só o POVO unido às FFAA podem varrer os inúmeros criminosos que hoje mandam no país. Barroso e Alexandre VÃO DAR UM GOLPE no Presidente e acabar com esse país. Sem o braço armado (FFAA), Cid, como defenderei meus filhos?”, complementa o blogueiro.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem