Alemanha, Irlanda e Canadá saem em defesa de Macron contra Bolsonaro

Líderes apoiam o presidente da França que propõe boicote ao Brasil no acordo entre União Europeia e Mercosul

Foto: Presidence France

Foto: Presidence France

Mundo,Política,Sustentabilidade

Após o presidente francês Emmanuel Macron acusar Bolsonaro de ter mentido sobre o clima no G20 e afirmar que a França se opõe ao acordo UE-Mercosul, Alemanha, Irlanda e Canadá saíram em defesa do líder francês e também criticaram o governo brasileiro.

A chanceler alemã Angela Merkel manifestou apoio nesta sexta-feira 23 ao presidente francês por meio de seu porta-voz, considerando que os incêndios na Amazônia constituem uma “situação urgente” que deveria sim ser discutida durante a cúpula do G7, apesar das acusações de ingerência por parte de Bolsonaro.

O presidente brasileiro acusou seu colega francês de ter “uma mentalidade colonialista” e de querer “instrumentalizar” o tema “para ganhos políticos pessoais”.

O primeiro-ministro da Irlanda, Leo Varadkar, ameaçou votar contra o acordo comercial entre a União Europeia e o Mercosul se o Brasil não respeitar seus “compromissos ambientais”, em meio a críticas ao presidente Jair Bolsonaro pelos incêndios que assolam a Amazônia. Segundo o primeiro-ministro, “de maneira alguma a Irlanda votará a favor do acordo de livre comércio UE-Mercosul se o Brasil não cumprir seus compromissos ambientais”.

E a polêmica não fica só na Europa. O primeiro ministro do Canadá, Justin Trudeau, postou em seu Twitter uma manifestação apoiando Macron e dizendo que no G7 o assunto será tratado de forma prioritária.

“Eu não poderia deixar de concordar com Emanuel Macron. Trabalhamos muito para proteger o meio ambiente no #G7 do ano passado em Charlevoix, e precisamos continuar neste fim de semana. Precisamos de #ActForTheAmazon e agir para o nosso planeta – nossos filhos e netos estão contando conosco”, disse Trudeau. 

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem