Política

Alckmin: “A polícia de SP não é assassina, ela é firme e legalista”

Segurança pública foi o principal assunto do segundo debate entre os candidatos ao governo de São Paulo, realizado pelo SBT

Candidatos durante debate no SBT
Candidatos durante debate no SBT
Apoie Siga-nos no

A segurança pública foi o principal assunto durante o segundo debate entre os candidatos ao governo de São Paulo. Candidatos e jornalistas fizeram perguntas relacionadas ao tema, que também tem dominado a propaganda eleitoral.

Diante das críticas de mais de um adversário, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) chegou a afirmar que “a polícia de São Paulo não é assassina, ela é firme e legalista,” disse o governador.

Durante o primeiro bloco, três questões foram feitas sobre o assunto. Alckmin foi questionado pelo candidato Walter Ciglioni (PRTB) sobre o que o seu governo fará para combater o consumo de cocaína.

Gilberto Maringoni (PSOL), por sua vez, lembrou antigas propostas do PT de segurança para questionar Alexandre Padilha (PT). “O PT nos anos 80 tinha uma proposta de segurança que envolvia a desmilitarização da PM,” disse Maringoni. Ele questionou a política de Padilha, que toma a norte-americana Nova York como exemplo de combate ao crime.

“Fui buscar médicos de Cuba para salvar a vida de milhões de brasileiros. Trarei sim experiências dos Estados Unidos se elas nos auxiliarem”, respondeu Padilha, mencionando sua experiência no Mais Médicos no Ministério da Saúde.

Ainda no primeiro bloco, Paulo Skaf (PMDB) questionou Gilberto Natalini (PV) sobre o que ele faria para reduzir o alto índice de estupros no Estado.

Proibição de máscaras

Geraldo Alckmin (PSDB) e Paulo Skaf (PMDB) defenderam a lei, aprovada pela Assembleia Legislativa, que proíbe máscaras em manifestações. “Nós somos contrários a qualquer tipo de máscara”, disse Alckmin.

Skaf foi questionado por um jornalista sobre a presença de um ex-secretário de Segurança Pública de Alckmin, Antônio Ferreira Pinto, na sua campanha. Diante das críticas feitas à performance do seu ex-secretário, Alckmin disse que a PM não deveria ser questionada daquela forma.

Maringoni, por sua vez, disse que mudaria o brasão da Polícia Militar de São Paulo, porque o símbolo exalta o golpe de 1964 e o massacre de Canudos.

Falta de água

O racionamento de água no Estado de São Paulo foi outro assunto mencionado diversas vezes durante as duas horas de debate.

Natalini criticou Fernando Haddad (PT), que segundo ele seria omisso na preservação dos mananciais. O seu partido, o PV, cuidou da secretaria de meio ambiente durante três anos. Ele disse que medidas preventivas foram tomadas, mas as obras estão atrasadas.

Padilha, por sua vez, negou que implantará um rodízio de água no Estado caso seja eleito. Escolhido para comentar a resposta do petista, Alckmin disse que São Paulo passa por uma das “maiores secas da história”, que fará obras e pedirá a conscientizando a população sobre o uso de água.

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , , , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.