Política

Aécio Neves minimiza críticas a Lula

Após chamar o ex-presidente de “líder de facção”, senador mineiro diz que se referia apenas a grupos políticos

Menos de 24 horas depois de fazer duras críticas ao ex-presidente Lula, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) decidiu amenizar os ataques ao petista. Irritado com os comentários feitos pelo candidato do PT à prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, segundo quem Aécio deveria “ler mais”, Aécio afirmou que o recado de Haddad era para Lula e que o ex-presidente se comportava como um “líder de facção”.

Neste sábado 29, Aécio reafirmou a crítica de que Lula faz ataques virulentos quando seus candidatos estão sendo derrotados em alguma disputa eleitoral. De acordo com o senador, o PT não sabe perder e encara a derrota como se “fosse um crime de lesa-pátria”. Ainda segundo Aécio, não é “adequado” a um presidente fazer “ataques pessoais” e reivindicar de forma “exclusivista” o “sentimento de solidariedade com os mais pobres”.

Aécio afirmou, entretanto, que é “absolutamente legítimo” Lula pedir votos para seus candidatos pois ele é “ex-presidente de todos os brasileiros”. O senador mineiro disse também que, em sua opinião, Lula deveria “rodar o mundo representando o Brasil” pois “não há uma figura importante do mundo político” que ele encontre que “não pergunte pelo presidente Lula”.

Aécio também negou que seus comentários sobre Lula tivessem alguma alusão a grupos criminosos. “Falei que ele opta por ser chefe de uma facção política. Não estou me referindo a nada além disso”, disse o tucano de acordo com o Estadão. Em meio ao julgamento do chamado “mensalão” no Supremo Tribunal Federal, alguns comentaristas se apressaram ao afirmar que Aécio estaria, supostamente, falando sobre o escândalo.

Menos de 24 horas depois de fazer duras críticas ao ex-presidente Lula, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) decidiu amenizar os ataques ao petista. Irritado com os comentários feitos pelo candidato do PT à prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, segundo quem Aécio deveria “ler mais”, Aécio afirmou que o recado de Haddad era para Lula e que o ex-presidente se comportava como um “líder de facção”.

Neste sábado 29, Aécio reafirmou a crítica de que Lula faz ataques virulentos quando seus candidatos estão sendo derrotados em alguma disputa eleitoral. De acordo com o senador, o PT não sabe perder e encara a derrota como se “fosse um crime de lesa-pátria”. Ainda segundo Aécio, não é “adequado” a um presidente fazer “ataques pessoais” e reivindicar de forma “exclusivista” o “sentimento de solidariedade com os mais pobres”.

Aécio afirmou, entretanto, que é “absolutamente legítimo” Lula pedir votos para seus candidatos pois ele é “ex-presidente de todos os brasileiros”. O senador mineiro disse também que, em sua opinião, Lula deveria “rodar o mundo representando o Brasil” pois “não há uma figura importante do mundo político” que ele encontre que “não pergunte pelo presidente Lula”.

Aécio também negou que seus comentários sobre Lula tivessem alguma alusão a grupos criminosos. “Falei que ele opta por ser chefe de uma facção política. Não estou me referindo a nada além disso”, disse o tucano de acordo com o Estadão. Em meio ao julgamento do chamado “mensalão” no Supremo Tribunal Federal, alguns comentaristas se apressaram ao afirmar que Aécio estaria, supostamente, falando sobre o escândalo.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!