ACM Neto diz a Ciro que União Brasil pode lançar candidato próprio à Presidência

Caso nenhum nome do novo partido dispute a eleição, ACM afirma que pode 'construir um projeto que contribua com o fim da polarização'

Ciro Gomes e ACM Neto, em transmissão ao vivo na internet. Foto: Reprodução

Ciro Gomes e ACM Neto, em transmissão ao vivo na internet. Foto: Reprodução

Política

O ex-prefeito de Salvador ACM Neto sinalizou que o partido União Brasil não deve apoiar o presidente Jair Bolsonaro nas eleições de 2022 e disse que há possibilidade de lançamento de uma candidatura própria.

 

 

 

A declaração ocorreu nesta terça-feira 26, durante live com Ciro Gomes, pré-candidato pelo PDT à Presidência.

ACM Neto é um dos principais articuladores da fusão entre DEM e PSL. Segundo ele, “o União Brasil nasce muito distante de estar debaixo da saia do governo.”

Ele relembrou a posição do presidente do PSL, Luciano Bivar, em crítica a Bolsonaro, o que resultou no rompimento do chefe do Planalto com a sigla em 2019.

ACM Neto afirmou ainda que “esse partido [o União Brasil] nasce com a possibilidade de ter uma candidatura própria à Presidência da República”. Na sequência, disse que, caso não haja um nome do União Brasil, a legenda está disposta a “construir um projeto para 2022 que contribua com o fim dessa polarização”.

“Que a gente possa sair dos extremos, deixar o radicalismo de lado e olhar para o futuro”, disse ACM Neto. “A gente vem conversando com vários partidos, o PDT é um deles, o MDB, o PSB, que a priori dão essa mesma sinalização de desfazer esse quadro hoje polarizado da política nacional.”

Em recente entrevista a CartaCapital, o presidente do PDT da Bahia, Félix Mendonça Júnior, confirmou que o PDT tem conversado com ACM Neto na Bahia, para as eleições de 2022. Em Salvador, o DEM e o PDT compuseram juntos uma chapa na eleição para prefeito em 2018 e emplacaram os nomes de Bruno Reis (DEM) e da vice Ana Paula (PDT).

 

‘Meu voto em 2002 foi para Ciro’, diz ACM

Na live com Ciro Gomes, ACM Neto não manifestou apoio à candidatura do PDT em 2022, mas fez um afago.

“Eu me lembrava das eleições de 2002, foi quando eu disputei minha primeira eleição para deputado federal e me elegi naquele ano no primeiro mandato no Parlamento. E o meu voto para presidente da República naquele ano foi para Ciro Gomes”, afirmou ACM Neto, referindo-se à eleição que levou Lula (PT) ao Palácio do Planalto. “Tive a alegria de fazer campanha naquele momento, com muita convicção de que era a melhor alternativa para o Brasil.”

Em resposta, o pré-candidato do PDT afirmou que pedirá o voto de ACM Neto no ano que vem.

“Vai ter a hora em que eu vou procurar pedir voto, e esse voto aí é um voto muito precioso, que eu certamente vou cuidar com muita delicadeza de pedir”, disse Ciro.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem