ACM Neto critica Doria e Maia toma as dores: o dia de guerra entre DEM e PSDB

Filiação do vice-governador paulista, Rodrigo Garcia, ao PSDB gerou uma crise de grandes proporções nos antigos aliados

ACM Neto e João Doria. Fotos: Divulgação/Prefeitura de Salvador e Divulgação/Governo de São Paulo

ACM Neto e João Doria. Fotos: Divulgação/Prefeitura de Salvador e Divulgação/Governo de São Paulo

Política

O presidente nacional do DEM, ACM Neto, afirmou que o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), é despreparado “para liderar um projeto nacional”. Também disse que o tucano adota “postura desagregadora”, a qual “amplia o seu isolamento político”.

A declaração do ex-prefeito de Salvador (BA) foi proferida no dia em que o vice-governador paulista, Rodrigo Garcia, trocou o DEM pelo PSDB, após articulação de Doria. Há a possibilidade de que Garcia seja o candidato tucano ao governo de São Paulo em 2022, em meio a uma crise de grandes proporções entre as duas legendas, historicamente alinhadas.

 

 

Pelas redes sociais, ACM Neto argumentou que a troca de partido por Garcia “é fruto de uma inexplicável imposição estabelecida pelo governador de São Paulo, João Doria, cuja inabilidade política tem lhe rendido altíssima rejeição e afastado os seus aliados”.

Logo depois, também pelas redes, o ex-presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia, que está prestes a pedir a desfiliação do DEM, reagiu contra ACM. “Oportunista. Nunca apoiaria o Doria”, escreveu.

O evento de filiação de Garcia ao PSDB foi realizado nesta sexta em um hotel de luxo na zona sul da cidade de São Paulo. Doria e outras lideranças do partido estavam presentes. O mais novo tucano negou que a decisão de entrar no PSDB tenha sido motivada pela vontade de concorrer ao Palácio dos Bandeirantes no ano que vem, mas frisou que, “no momento certo, vai se submeter às regras do partido”.

“Minha vinda para o PSDB é muito natural, uma migração em que deixo muitos amigos do DEM. Aprendi com o ex-governador Geraldo Alckmin que ano par a gente fala de eleição, ano ímpar a gente trabalha. Nesse momento não é isso que está sendo discutido”, disse.

No evento de filiação de Garcia, Doria rebateu as críticas do DEM ao afirmar que não é “hora de ressentimentos”.

“Rodrigo Garcia não recebeu nenhuma imposição de nenhuma ordem, de nenhuma espécie para ingressar no PSDB. Exatamente por nossa capacidade agregadora que ele veio para o PSDB, para somar forças. Compreendo a posição do presidente nacional do DEM, o perdoo por essa posição, mas em breve ele vai saber o valor da união e da agregação para que juntos possamos encontrar o melhor caminho para o Brasil”, acrescentou o governador paulista.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Editor do site de CartaCapital

Compartilhar postagem