Política

A vida sexual de Kátia Abreu não interessa a ninguém

Não importa a atividade que exerça, o corpo da mulher não lhe pertence socialmente, ele é “público”

Namoradeira, casada, solteira, poliamorista. Por que a vida sexual de uma mulher na política institucional – no caso, a ministra Kátia Abreu (PMDB) – é motivo de interesse e, pior ainda, de comentário pejorativo por parte de um dos mais conhecidos senadores da República, José Serra (PSDB)?

Simples: porque, não importa a atividade que exerça, o corpo da mulher não lhe pertence socialmente, ele é “público”. Logo, é passível de assunto em rodas de conversa, de cantadas na rua e também de estupro. Sim, a lógica é a mesma, a da apropriação.

Enquanto os homens são vistos como tendo um sexo, as mulheres são vistas como sendo o sexo inteiro, já dizia a socióloga francesa Colette Guillaumin. Segundo ela, ser mulher é nossa definição na sociedade:

Diante de um patrão, há sempre uma ‘mulher’, diante de um ‘politécnico’, há uma ‘mulher’, diante de um operário há uma ‘mulher’. Mulheres nós somos, não é um qualificativo entre outros, é nossa definição social. Tolas as que acreditam que é apenas um traço físico, uma ‘diferença’ – e que a partir desse ‘dado’ múltiplas possibilidades nos seriam abertas. (…) Não é o começo de um processo (uma ‘partida’, como acreditamos), é o fim, é o fechamento.

Guillaumin cita alguns exemplos de frases retiradas de jornais para marcar a diferença: “um estudante foi punido com um mês de confinamento e uma jovem mulher foi repreendida” (informações sobre sanções na Escola Politécnica de Paris); “eles assassinaram dezenas de milhares de trabalhadores, de estudantes e mulheres” (Fidel Castro sobre o regime ditatorial de Fulgêncio Batista em Cuba nos anos 1950).

Em um espaço como a política institucional, em que elas representam menos de 15%, as que atuam como deputadas, ministras, senadoras, presidentas são, antes de tudo, mulheres. E comentários como o feito pelo senador José Serra contribuem não apenas para lembrá-las dessa condição hierarquicamente inferior em relação aos homens, como também para mantê-las nessa posição.

Comentário esse, aliás, que provavelmente só se tornou notícia nacional porque a dita cuja citada reagiu às insinuações e tacou-lhe um copo de vinho na cara. Senão, seria motivo de risadinhas e acabaria em silêncio, perpetuando as pequenas violências cotidianas, entre as quais a argumentação de que um casamento recente seria comprovação de algum tipo de dignidade. Como se as mulheres solteiras, divorciadas, enroladas etc. não fossem dignas de respeito.

Não interessa o que Kátia Abreu faz com o corpo dela. O que interessa a respeito de Kátia Abreu é sua atuação política. É termos, por exemplo, uma das maiores representantes do latifúndio brasileiro no comando do Ministério da Agricultura em um governo que deveria ser de centro-esquerda e depois de 13 anos no poder – que cabalístico esse número! – não realizou a reforma agrária.

E que agora, em vez de ter como base social para sua sustentação movimentos que historicamente participaram da construção do PT, como o MST, enfraquecidos após tanto tempo de cooptação e/ou inação, tem nesse mesmo PMDB o (in)fiel da balança de sua permanência no poder.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!