A história da militante pró-Bolsonaro e o cartaz que causou espanto na web

Como alguns poucos suspeitaram, tratava-se de uma piada

A história da militante pró-Bolsonaro e o cartaz que causou espanto na web

Política

Avenida Paulista, dia 26 de maio, dia de protestos pró-Bolsonaro. Debaixo de um bandeirão verde e amarelo, uma jovem loira carrega um cartaz com um pedido inusitado até para os padrões bolsonaristas: chega de universidades! Armas sim, bolsas não.

 

A imagem foi compartilhada milhares de vezes nas redes sociais, acompanhada de interjeições e reações de espanto.

Como alguns poucos suspeitaram, tratava-se de uma piada. A mulher da foto, na verdade, é militante de esquerda e estava infiltrada na manifestação. A youtuber Mariana Motta levou várias placas cujos dizeres iam de ‘Não quero me aposentar’ até ‘Brasil e EUA acima de tudo’ e ‘Não à ditadura gayzista, chega de heterofobia’. Segundo ela, os cartazes foram baseados em comentários que ela recebe na internet.

O objetivo, diz, era descobrir se os cartazes causariam espanto entre os manifestantes. Não foi o caso. “As pessoas aplaudiram os cartazes que eu trouxe”, relatou.

Milhares de apoiadores de Jair Bolsonaro (PSL) foram às ruas de ao menos 154 cidades distribuídas nos 26 estados e no Distrito Federal para defender o presidente. Os atos foram estimulados pelo ex-capitão e por aliados em um momento no qual o governo patina em emplacar sua agenda no Congresso.

Em pauta, ataques ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), acusado de atuar contra os interesses do governo. Cartazes em diversas cidades se referiram ao deputado como “idiota”, não brasileiro (ele nasceu no Chile) e traziam até ameaças de impeachment. Houve também hostilidades contra o STF e o Congresso.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem