‘A cooperação de vacinas precisa de um ambiente político amigável’, diz embaixador chinês

Declaração foi feita em reunião com governadores. Yang Wanming nega que a China utilize das vacinas como forma de 'retaliação'

Yang Wanming, o embaixador da China no Brasil. Foto: Romulo Serpa/Agência CNJ/Divulgação

Yang Wanming, o embaixador da China no Brasil. Foto: Romulo Serpa/Agência CNJ/Divulgação

Política,Saúde

O embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, afirmou em reunião com governadores nesta quinta-feira 20 que a cooperação entre os dois países em relação à vacina contra a Covid-19 precisa de “um ambiente político amigável”, mas negou que a China utilize das vacinas “para impor pressão ou retaliação política”.

“Rejeitamos a interferência política na pandemia. Nunca utilizamos e jamais utilizaremos as vacinas para impor pressão ou retaliação política. É um compromisso da China. Uma posição fundamental da pátria chinesa”, afirmou o embaixador, que depois salientou: “Assim como a parceria em qualquer setor, a nossa cooperação de vacinas também precisa de um ambiente político amigável”.

A reunião foi gravada pelo governo de São Paulo e publicada no site Soundcloud, plataforma em que são divulgados áudios de eventos e coletivas com a participação de Doria. No entanto, após ser enviado para a imprensa, o arquivo foi excluído. A assessoria de imprensa afirmou que deverá publicar um novo link com a coletiva em breve.

Participaram da conversa os governadores João Doria (PSDB), de São Paulo, Wellington Dias (PT), do Piauí; Flávio Dino (PCdoB), do Maranhão; e Waldez Góes (PDT), do Amapá.

Na reunião, os governadores buscaram se afastar das declarações dadas pelo presidente Jair Bolsonaro contra a China – que foram apontadas por Doria e pelo diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, como entraves para a chegada do Insumo Farmacêutico Ativo (IFA) da vacina Coronavac.

Flávio Dino chegou a afirmar que as declarações de Bolsonaro não representavam a opinião dos governadores, que possuem um Fórum específico no qual são tratadas questões relativas à pandemia do coronavírus.

 

 

 

Doria, por sua vez, reiterou os pedidos para que o embaixador diretamente apele ao governo chinês pela liberação de mais insumos para a produção da Coronavac. Segundo o tucano, dos 6 mil litros de IFA previstos para chegarem em São Paulo, foram liberados para embarque apenas 3 mil litros.

Atualmente, o Instituto Butantan está com a produção paralisada justamente pelos atrasos na liberação de embarque do IFA da China. A Fiocruz, por sua vez, afirmou que poderia ter dias sem produção da vacina da AstraZeneca enquanto aguarda, para este sábado 22, a chegada de mais uma leva do insumo.

Em sua declaração aos governadores, Wanming também afirmou que a China avança nas relações bilaterais em relação às vacinas devido ao sentimento de “fraternidade” com o povo brasileiro. Nas redes sociais, o embaixador fez uma postagem com um discurso de mesmo teor.

 

 

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

É repórter do site de CartaCapital.

Compartilhar postagem