Economia

A apoiadores, Bolsonaro critica ‘home office’ e salário do presidente da Petrobras: ‘Mais de 50 mil por semana’

O presidente da República negou, mais uma vez, sua vontade de interferir na estatal, mas pediu ‘transparência e previsibilidade’

Foto: Reprodução/YouTube
Foto: Reprodução/YouTube

Em conversa com apoiadores na porta do Palácio da Alvorada nesta segunda-feira 22, o presidente Jair Bolsonaro fez críticas diretas ao atual presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, que o governo federal pretende substituir pelo general Joaquim Silva e Luna, conforme decisão anunciada na última sexta-feira 19.

O mandato de Castello Branco se encerra em 20 de março e, até lá, o Conselho de Administração da estatal deve aprovar o nome do novo presidente. Os embates entre Castello Branco e Bolsonaro se intensificaram na semana passada, com os novos aumentos nos preços do diesel e da gasolina nas refinarias.

“O que eu quero da Petrobras é transparência e previsibilidade. 20 de março encerra o prazo da vigência do atual presidente. É direito meu reconduzi-lo ou não. Ele não será reconduzido. É sinal de que alguns do mercado financeiro estão muito feliz (sic) com a política que só tem um viés na Petrobras: atender aos interesses próprios de alguns grupos no Brasil”, afirmou Bolsonaro a militantes.

Ele também voltou a dizer que o governo não pretende interferir na estatal, apesar da sua decisão de trocar Castello Branco por um militar.

“O petróleo é nosso ou é de um pequeno grupo no Brasil? Ninguém vai interferir na política de preços da Petrobras. E eu não consigo entender, no prazo de duas semanas, ter um reajuste no diesel em 15%”, apontou. “Não foi essa a variação do dólar aqui dentro, nem do preço do barril lá fora.”

Na conversa com apoiadores, o presidente também criticou o salário de Castello Branco e o fato de o comandante da Petrobras trabalhar em sistema home office, devido à pandemia do novo coronavírus.

“Alguém sabe quanto ganha o presidente da Petrobras? Chuta bem alto aí”, pediu Bolsonaro aos presentes. Após um apoiador sugerir que Castello Branco receberia 50 mil reais por mês, o presidente emendou: “50 mil por semana? É mais do que isso por semana. Então tem coisa que não tá certo. E para ficar em casa, trabalhando de casa”.

“O presidente da Petrobras está há 11 meses em casa, sem trabalhar. Trabalha de forma remota. Mas o chefe tem que estar na frente. Isso, para mim, é inadmissível”, declarou Bolsonaro. “Imagine eu, presidente, em casa, no meio do Covid, ficando o tempo todo aqui no Alvorada. Não justifica isso aí.”

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!