Afonsinho

Médico e ex-jogador de futebol brasileiro

Opinião

assine e leia

Zagallo, capítulo III

Os desentendimentos com o treinador estão na origem do longo processo que culminou com a conquista do meu “Passe Livre”

Lendária estrela brasileira foi o primeiro a vencer a maior competição do futebol como jogador e treinador. Foto: Lucas Figueiredo/CBF
Apoie Siga-nos no

Os campeonatos estaduais e a final da Copa São Paulo, na quinta-feira 25, marcam o início do calendário do futebol brasileiro em 2024. Por ora, há pouco a acrescentar no debate esportivo. Aproveito esta brecha para escrever o capítulo final de minha novela com Zagallo. Como relatei na coluna anterior, o então treinador do vitorioso Botafogo dos anos 1960 me escalou para ocupar a função de um falso ponta-esquerda. Não deu certo e passei por dois vexames consecutivos. O primeiro em uma partida contra o Corinthians no Maracanã. O segundo ao enfrentar o Atlético no Mineirão. Em ambos os episódios, fui sacado do time com menos de 15 minutos de bola rolando.

Ao tomarem conhecimento da minha insatisfação, dirigentes do Botafogo permitiram que eu aguardasse, no banco de reservas, a oportunidade de jogar na minha posição característica, no meio-campo. A oportunidade surgiu em uma partida contra o América do Rio, mas, espantosamente, Zagallo preferiu escalar dois volantes para suprir a ausência de Gerson. Estávamos perdendo por 2 a 0 quando, finalmente, e por pressão da torcida, pude entrar em campo. Conseguimos empatar o jogo.

Este texto não representa, necessariamente, a opinião de CartaCapital.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

10s