Drauzio Varella

[email protected]

Médico cancerologista, foi um dos pioneiros no tratamento da AIDS no Brasil. Entre outras obras, é autor de "Estação Carandiru", livro vencedor do Prêmio Jabuti 2000 na categoria não-ficção, adaptado para o cinema em 2003.

Opinião

cadastre-se e leia

Transtornos emocionais

Em 2009, uma em cada quatro pessoas apresentava problemas de saúde mental. Doze anos depois, o número já era de uma em cada três

Depressão. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil.
Apoie Siga-nos no

Com a vida moderna, os transtornos emocionais se espalharam pelo mundo. Antes do início da pandemia de Covid-19, a Organização Mundial da Saúde (OMS) já considerava que depressão seria a principal causa de absenteísmo no trabalho.

Diversos estudos realizados nos últimos anos documentaram um aumento importante da prevalência de distúrbios emocionais em diversos países, principalmente nos Estados Unidos e no Reino Unido. Esse panorama motivou o Instituto Gallup a conduzir a pesquisa “Gallup World Poll”, um projeto ambicioso para avaliar a evolução da saúde mental, mundo afora.

Aproximadamente, 1,5 milhão de adultos com mais de 15 anos, residentes em 113 países, foram avaliados num período de 12 anos (de 2009 a 2021). O inquérito consistiu de chamadas telefônicas individuais digitadas ao acaso, para, no mínimo, mil habitantes de cada país.

As mulheres e os homens consultados precisavam responder se no dia anterior ao telefonema tinham experimentado estados de espírito negativos, em relação a quatro itens: estresse, ansiedade, depressão e raiva.

As faixas etárias formaram três grupos: abaixo de 35 anos, entre 35 e 54 anos e acima de 55 anos. O nível de escolaridade dos participantes, outros três: básico, secundário e universitário. De acordo com as condições financeiras, os participantes foram divididos em cinco grupos, cada qual correspondente a 20% (dos mais pobres aos mais ricos), de acordo com o nível de renda per capita do país estudado.

Em 2009, os distúrbios emocionais acometiam 25,1% dos adultos avaliados. Em 2021, esse número chegou a 31,2%. Houve, portanto, em pouco mais de uma década, acréscimo médio de 6% no número de adultos com transtornos emocionais.

Como há cerca de 160 milhões de brasileiros com mais 15 anos de idade, 6% desse número corresponde a 9,6 milhões de pessoas a mais, acumuladas apenas nos últimos 12 anos.

Quais as características desses 160 milhões de brasileiros? Ao estratificar essa população segundo os níveis de escolaridade e renda, o aumento dos casos entre os de nível de escolaridade elementar atingiu 9,5%. A mesma tendência foi encontrada entre aqueles de renda mais baixa: 7,3%.

Em relação aos transtornos apresentados na véspera da chamada telefônica, as queixas foram: estresse (10%), tristeza (6,3%), preocupação excessiva (6,2%). Os que se queixaram de episódios de raiva não atingiram números significativos.

Outro dado interessante foi colhido durante a pandemia de Covid-19, uma vez que os participantes foram avaliados até 2021. Muita gente atribui à pandemia o aumento dos casos de depressão e ansiedade.

De fato, nos momentos mais difíceis da pandemia houve aumento acelerado dos distúrbios emocionais: 2,5% a mais. No fim de 2021, no entanto, esse número voltou aos valores pré-pandemia, sugerindo capacidade de adaptação rápida assim que as condições anteriores se restabelecem.

Essa pesquisa traz informações importantes a respeito da saúde mental da população. Em 2009, quando foi iniciada, uma em cada quatro pessoas vivia em condições emocionais desfavoráveis. Doze anos mais tarde, esse número já era de uma em cada três. Daqui a dez anos quantas serão?

É muito provável que a sobrecarga emocional mais pesada continue caindo sobre os ombros dos mais pobres e dos que estudaram menos – o que só faz acentuar o fosso social no Brasil, um dos países mais desiguais do mundo.

Para agravar o quadro diante de nós, saúde mental é uma área de alta complexidade que desafia até os serviços de saúde dos países mais ricos e organizados. O atendimento que as pessoas com problemas mentais conseguem receber no Sistema Único de Saúde (SUS) e junto aos planos de saúde é precário. Não está à altura da magnitude do problema.

Com a popularidade de drogas psicoativas – usadas de forma abusiva – e com as pessoas cada vez mais isoladas umas das outras, aprisionadas em casa, de olhos fixos nas telas dos celulares, sequestradas pelas imagens que se sucedem continuamente, numa sequência interminável de estímulos visuais que não poupam sequer as crianças, tudo leva a crer que, daqui a alguns anos, ter saúde mental será privilégio de poucos. •

Publicado na edição n° 1273 de CartaCapital, em 23 de agosto de 2023.

Este texto não representa, necessariamente, a opinião de CartaCapital.

Leia essa matéria gratuitamente

Tenha acesso a conteúdos exclusivos, faça parte da newsletter gratuita de CartaCapital, salve suas matérias e artigos favoritos para ler quando quiser e leia esta matéria na integra. Cadastre-se!

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

10s