O retorno de Lula

O ex-presidente é a melhor chance de nos livrarmos do desastre chamado Bolsonaro

Foto: Ricardo Stuckert

Foto: Ricardo Stuckert

Opinião

A política é um deserto de profetas. Foi impressionante e totalmente inesperada a reviravolta do quadro nacional neste mês de março, confirmando uma vez mais como é difícil, a rigor impossível, fazer previsões em matéria política. A reviravolta, como se sabe, foi produzida por três acontecimentos encadeados. Primeiro, a decisão do ministro Edson Fachin de anular todas as sentenças contra o ex-presidente Lula. Segundo, a decisão do ministro Gilmar Mendes de colocar em votação a suspeição de Moro, derrotando a pretensão de Fachin de declarar a questão superada. Terceiro, o discurso extraordinário do ex-presidente, que demonstrou a sua quase inacreditável capacidade de se expressar e argumentar, com força e sutileza ao mesmo tempo. O leitor pode até não gostar de Lula, não votar nele, mas há de reconhecer que foi um discurso de estadista.

Lula está de volta, elegível, com seus direitos políticos recuperados. É bem verdade que ainda podem ocorrer surpresas negativas no Supremo Tribunal Federal. Houve recurso da Procuradoria-Geral da República contra a decisão de Fachin e a votação da suspeição de Moro foi interrompida por um pedido de vista do ministro Nunes Marques, indicado por Bolsonaro. Em matéria jurídica, as previsões também são precárias, sobretudo quando as questões a serem decididas têm vastas implicações políticas. Mas, até onde posso enxergar, a reversão do quadro no STF parece improvável. Criou-se, na verdade, um fato político consumado, com a repercussão da decisão de Fachin no País e no exterior e o pronunciamento de Lula terminou de consumar o fato.

Estou sendo otimista demais? Os anos recentes têm sido duríssimos para o Brasil. Há muito tempo não tínhamos tantas notícias inesperadas e favoráveis. Além disso, a grave crise atual, com a pandemia fora de controle em grande parte do território nacional, só nos torna ainda mais predispostos a receber com alegria talvez excessiva a reviravolta ocorrida no campo político.

Mesmo com essas ressalvas, acredito que temos, sim, motivos para comemorar. O recurso da PGR não deve prosperar. A suspeição de Moro parece irreversível, depois de tudo que veio à tona sobre o seu comportamento escandaloso enquanto juiz das acusações contra Lula. A sua parcialidade ficou escancarada.

Alguns comentaram que Bolsonaro teria ficado satisfeito de poder polarizar com Lula. Não faz sentido. Com Lula fora do páreo, as chances de reeleição do atual presidente eram maiores. A direita tradicional ainda não encontrou candidato forte. E a centro-esquerda não tem ninguém com a força do ex-presidente.

Pesquisas recentes de intenção de voto indicam que Lula pode ser considerado o favorito no momento. É a maior chance que temos de nos livrar desse desastre chamado Bolsonaro nas eleições de 2022.

Claro que o melhor cenário para o Brasil seria a saída imediata de Bolsonaro, seja por impedimento, seja por interdição. Não faltam motivos legítimos para afastá-lo, motivos inteiramente consistentes com as regras da nossa democracia. A cada mês que passa, o País retrocede a passos largos em todas ou quase todas as áreas relevantes. Já pagamos um preço elevadíssimo nos primeiros dois anos deste governo. A conta vai ser inevitavelmente muito mais pesada, se tivermos de aguardar as próximas eleições.

Seja como for, as perspectivas políticas do Brasil são agora melhores do que eram no início de março. Bem sei que Bolsonaro continua forte, apesar de tudo. Com variações, as diferentes pesquisas de opinião e intenção de voto indicam, até agora, apoio surpreendente da população. O apoio diminuiu visivelmente desde o início do ano, mas ainda é significativo.

É bem possível, até provável, que esta diminuição prossiga, impulsionada pelo fracasso do governo no enfrentamento da pandemia. No entanto, se a eleição fosse agora, Bolsonaro chegaria provavelmente ao segundo turno. Os possíveis candidatos da direita tradicional, Doria, Huck e Mandetta, entre outros, ainda não decolaram. O segundo turno seria, portanto, entre Lula e Bolsonaro. Uma escolha difícil?

Este texto não reflete necessariamente a opinião de CartaCapital.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Economista. Foi vice-presidente do Novo Banco de Desenvolvimento, estabelecido pelos BRICS em Xangai, e diretor-executivo no FMI pelo Brasil e mais dez países

Compartilhar postagem