Célia Xakriabá

Primeira indígena eleita deputada federal por Minas Gerais

Opinião

assine e leia

O cocar toma posse

É o começo da resistência em um Parlamento anti-indígena. Nunca mais sem nós

Celia Xakriabá na Câmara - Foto de Wesley Amaral - Câmara dos Deputados. Foto: Wesley Amaral/Câmara dos Deputados
Apoie Siga-nos no

São 523 anos de luta, de violência, genocídio e invasões. Esta é a história que não contam sobre os povos indígenas do Brasil. Durante todo esse tempo, apenas dois parlamentares indígenas foram eleitos na história. Se isso não é apagamento ou o que chamo de racismo da ausência, não sei o que é. Em 2023, chegamos com duas mulheres eleitas pela bancada do cocar e tomamos posse do que sempre foi nosso. Entrar no Congresso eleita é reintegrar a posse de um Brasil que é terra indígena.

Entro aqui não com as gravatas do protocolo, mas com a gravata dos nossos ancestrais. As gravatas Xavante, as gravatas Xakriabá e de todos nós. Entro para assinar, não para assassinar direitos. Em um lugar onde muito é dito e pouco se escuta é onde ecoaremos os nossos cantos com o poder do maracá. Tomamos posse sabendo exatamente o que estamos enfrentando. Já estivemos na luta do lado de fora, recebendo balas de borracha. Sabemos o que pensam de nós os homens de paletó. E é exatamente contra esse apagamento que resistiremos.

Este texto não representa, necessariamente, a opinião de CartaCapital.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo