Maria Rita Kehl

Opinião

assine e leia

Marcas da maldade

Bolsonaro incitou a quebra de tabus indispensáveis para o convívio social. A pacificação do País levará tempo

O ex-presidente Jair Bolsonaro. Foto: Silvio Avila/AFP
Apoie Siga-nos no

Já escrevi em uma de minhas colunas em CartaCapital que a banalidade do mal, tal como a compreendeu a filósofa Hannah Arendt, não tem nada a ver com a banalização da maldade. O primeiro indica o descompromisso de alguém – um torturador, por exemplo – em relação aos crimes que pratica. Ao ser julgado no pós-Segunda Guerra Mundial, o carrasco nazista Adolf Eichmann alegou que “apenas cumpria ordens” de seus superiores, atitude classificada por Arendt como a banalidade do mal.

Posta essa diferença, quero abordar neste texto alguns acontecimentos tenebrosos, no Brasil pós-Bolsonaro, que tomo a liberdade de chamar de “banalização da maldade”. Todos eles têm a ver com a quebra – apregoada e exaltada pelo ex-presidente – de um tabu essencial para o nosso convívio em sociedade: o da dignidade do outro, tanto física quanto moral.

Este texto não representa, necessariamente, a opinião de CartaCapital.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.