Mais um (ótimo) motivo para a demissão de Abraham Weintraub

O rentista Otávio Fakhoury promete romper com Bolsonaro se o ministro deixar o governo. Tomara que não seja uma vã ameaça

Otávio Fakhoury (Foto: Reprodução/YouTube)

Otávio Fakhoury (Foto: Reprodução/YouTube)

Opinião

É licença poética chamar de empresário ou investidor Otávio Fakhoury, um dos financiadores das milícias bolsonaristas investigados pelo Supremo Tribunal Federal. O termo correto é rentista, essa categoria particularmente próspera no País, de longa vida na história brasileira, desde tempos imemoriais.

Fakhoury, a exemplo de tantos de sua espécie, cospe palavras como capitalismo, meritocracia, competitividade, esforço, empreendedorismo. Mas do que vive? Como acumulou sua fortuna?  De origem libanesa, ele administra a FKO, a Epof e a MCO 19, três empresas de participações imobiliárias herdadas do falecido pai. Dito da forma mais simples: vive de aluguéis. E nem se deu ao trabalho de adquiri-los, ganhou de presente. Na escala evolutiva do “livre mercado”, mais protozoária do que esta atividade, só a agiotagem.

A ascensão de Bolsonaro permitiu a Fakhoury um outro tipo de realização pessoal e lhe deu uma causa para ocupar o tempo livre. Ele se tornou um guerreiro cultural, disposto a mudar as mentalidades contra o comunismo, em nome da pátria e de Deus. É do tipo que acredita que nada como uma ditadura para salvar a democracia, estabelecida nas seguintes bases: manda quem pode, obedece quem tem juízo.

O STF investiga, entre outras, se o cobrador de aluguéis, o “Senhor Barriga” do bolsonarismo, alimenta a máquina de difamação que ameaça as instituições brasileiras e sustenta os delírios golpistas dos chamados 300 de Bolsonaro (a alucinação começa por aí. No auge, o grupo, apesar de histriônico, nunca passou de 30 guerreiros).

Convencido de sua missão divina e de sua importância individual, talvez nervoso pelo cerco judicial, Fakhoury veio a público ameaçar um rompimento com Bolsonaro caso Abraham Weintraub seja demitido do Ministério da Educação. A lista de motivos para defender a queda do ministro é infindável e não caberia neste espaço. Contento-me com esta: seria matar dois coelhos com uma só cajadada. O Brasil se veria livre ao mesmo tempo das patetadas do ministro energúmeno e da “militância” do rentista obtuso.

Este texto não reflete necessariamente a opinião de CartaCapital.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Redator-chefe da revista CartaCapital

Compartilhar postagem